Mercado abrirá em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,89
    +0,84 (+1,29%)
     
  • OURO

    1.698,90
    +20,90 (+1,25%)
     
  • BTC-USD

    54.036,63
    +4.144,95 (+8,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,72
    +67,52 (+6,59%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.754,65
    +35,52 (+0,53%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.562,00
    +264,75 (+2,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Clima adverso deve encolher produção de café arábica no Brasil

Isis Almeida e Manisha Jha
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com as condições climáticas mais adversas desde a década de 1980, a produção brasileira de café arábica pode cair mais de 40% neste ano, segundo a consultoria Bison Luxley.

A produção de grãos arábica deve totalizar entre 28,7 milhões e 30,5 milhões de sacas devido ao impacto da seca e do calor, que danificaram os cafeeiros durante a floração, disse Neil Rosser, analista da empresa com sede em Londres. No ano passado, a produção somou 52,5 milhões de sacas, disse.

A previsão - uma das mais baixas até agora - segue um tour de 13 mil quilômetros para visitas a cerca de 3.100 áreas no Brasil realizadas pelo veterano do setor Gilmar da Silva Lobo a pedido da Bison Luxley. As tradings Volcafe e Ecom Agroindustrial projetam que a safra possa cair cerca de 30%. Esse contexto ajudou a elevar os contratos futuros de arábica para perto do maior nível desde dezembro de 2019 em Nova York.

“Esta é uma ocorrência realmente muito rara”, disse Rosser, que acompanha o mercado de café há três décadas e já trabalhou para Neumann Kaffee Gruppe e Olam International. “Em 84 houve algo parecido, e acho que as pessoas subestimam até hoje o que aconteceu no Brasil, a gravidade do clima seco.”

A safra de café arábica do Brasil caiu para menos de 30 milhões de sacas na temporada 2007-08, disse Rosser. Os cafeeiros também estão “cansados” após a colheita recorde do ano passado, enquanto o forte ritmo de poda também limita a produção, segundo o analista.

Os futuros subiram cerca de 30% desde o início de novembro, e se valorizaram na segunda-feira com a preocupação de que chuvas excessivas prejudicarão ainda mais o potencial da safra no Brasil. Os preços ainda estão muito mais baixos do que em ciclos anteriores de safras menores no país, em parte porque as restrições globais contra a Covid esfriam a demanda por café fora de casa.

Também pode haver menos interesse especulativo do que no passado, limitando a capacidade de altas dos preços. Alguns grandes operadores, como o fundo de hedge Armajaro, não existem mais, e um colapso no financiamento do comércio de commodities restringiu o número de players e o tamanho das posições que podem assumir no mercado.

“Os tomadores de risco não estão, e o horizonte de tempo das pessoas se estreitou”, disse Rosser. “É difícil pensar no que vai acontecer nos próximos seis meses quando você está tentando sobreviver nos próximos seis dias.”

Mas o Brasil deve registrar boa colheita de grãos robusta, usado no café instantâneo. A Bison Luxley espera que a safra totalize de 22,3 milhões a 23,7 milhões de sacas, disse Rosser.

“Estamos bastante otimistas no lado do conilon”, disse. “Não foi muito afetado pelo clima.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.