Mercado fechado

Clientes não conseguem sacar rendimentos de criptomoedas da corretora Genbit

RICARDO AMPUDIA E JÚLIA MOURA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Clientes da corretora de criptomoedas Genbit estão acionando a empresa na Justiça após terem o saque de seus rendimentos bloqueados. A empresa oferecia pacotes de investimentos de R$ 700 a R$ 26.500, com a promessa de ganhos mensais de até 15%.

Alguns conseguiram fazer até três saques, mas, em março, as retiradas começaram a ser travadas.

Segundo o advogado André Bueno, que representa mais de 70 clientes contra a empresa, há relatos de investidores com mais de R$ 400 mil retidos e que, pela quantidade de processos e da promessa de rendimentos, a empresa não teria condições de liquidar a dívida.

A Genbit afirma que os saques não foram congelados, mas escalonados por conta de oscilações no mercado de criptoativos e serão normalizados em até 90 dias.

Em um comunicado enviado aos clientes, a corretora afirma que cumpriu os contratos sem atraso por um ano e oito meses, mas um "descompasso na realização bancária dos valores de saques" e um clima de pessimismo e ataques à credibilidade da empresa diminuiu o volume de vendas, prejudicando as finanças.

A reportagem teve acesso a um grupo de WhatsApp com mais de uma centena de prejudicados, que trocam informações e se organizam para processar a empresa. Há relatos de investidores que venderam a casa e os que tomaram empréstimo em bancos em busca do alto rendimento prometido. Também há pessoas que trouxeram familiares para o negócio.

A cada novo entrante no programa, a corretora oferecia um bônus ao investidor que fez o convite, que, segundo a empresa, poderia ser utilizado unicamente na troca por produtos e serviços disponíveis no marketplace da empresa ou por TreepTokens.

A Treeptoken é uma moeda virtual recém-criada, negociada unicamente pela Genbit, ainda sem liquidez. A empresa propôs aos clientes a conversão dos valores retidos nessa criptomoeda

A promessa é de que, a partir de março de 2020, as Treeptokens poderão ser convertidas em reais ou utilizadas em compras no marketplace do grupo.

Segundo a empresa, a Treeptoken foi criada e é administrada pela empresa estoniana EuroExchange OÜ e também poderá ser usada para compras em estabelecimentos que possuam a máquina de cartão do próprio grupo que, ainda de acordo com a empresa, serão disponibilizadas no mercado brasileiro em 60 dias.

Para Diego Martins, diretor da ACCrypto, associação que defende os direitos de clientes de corretoras de criptomoedas, a conversão da dívidas em tokens "vende esperança a prazo".

"O cliente fica entre acionar a empresa na Justiça ou esperar com o seu investimento retido até que a moeda de fato adquira liquidez. Ele ainda acaba virando um criminoso, por que acaba atraindo mais gente para um negócio que sabe não ter o retorno prometido, na esperança de reaver o seu dinheiro no futuro", explica.

A Genbit é gerenciada pelo grupo Gensa Serviços Digitais. Em março, a Gensa e seu sócio Gabriel Tomaz Barbosa foram proibidos pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) de realizar oferta de investimentos, após a constatação de negociação ilegal de pacotes de investimentos com participação coletiva pela empresa Zero10 Club, que a CVM entende ser a mesma que a Genbit.

Para Fabrício Tota, diretor de mercado de balcão do Mercado Bitcoin, a promessa de retornos muito discrepantes em relação ao mercado, devem ser analisados com atenção.

"Dinheiro fácil não existe. Uma proposta incrível com alto rendimento fixo e sem risco é motivo de desconfiança. Se [a corretora] pedir [indicação de] novos entrantes, desconfie", diz.

Tota aponta ainda que a falta de regulação para o setor no Brasil também contribui para golpes. As criptomoedas não são ativos regulados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), o que deixa o investidor sem referências de quais moedas virtuais e quais corretoras são confiáveis.

A autarquia disponibiliza, no entanto, em seu site uma lista de pessoas e empresas temporariamente impedidos de negociar ativo devido a ofertas e atividades irregulares.

Segundo o diretor-executivo da ABCripto (Associação Brasileira de Criptoeconomia), Safiri Felix, para evitar cair em golpes envolvendo criptomoedas, investidores devem procurar informações a respeito da empresa, se há um histórico em sites como o Reclame Aqui e se há referências na imprensa.

Ele também aponta sinais de riscos na oferta. "Oferecer rentabilidade garantida e esquemas de pagamento por indicação de novos usuários são sinais de alerta", afirma Felix.

As criptomoedas se tornaram um investimento muito atrativo devido a sua rápida expressiva valorização. A bitcoin, moeda virtual mais conhecida, se valorizou mais de 9.050.675% nos últimos nove anos. Neste ano, a bitcoin acumula alta de 96,7%, segundo cotação da Bloomberg. Em maio, mês de maior valorização da criptomoeda em 2019, o salto foi de 62,3%.

MAIORES CRIPTOMOEDAS NEGOCIADAS EM DÓLAR

Bitcoin

Criação: 2008

Valor: US$ 7.248 (R$ 29.782)

Valorização em 2019: 96,7%

Bitcoin Cash

Criação: 2017

Valor: US$ 211,74 (R$ 280)

Valorização em 2019: 38,9%

Dash

Criação: 2014

Valor: US$ 50,97 (R$ 209,43)

Valorização em 2019: -36%

EOS

Criação: 2017

Valor: US$ 2,61 (R$ 10,72 )

Valorização em 2019: 2,6%

Ethereum (Ether)

Criação: 2015

Valor: US$ 144,65 (R$ 594.36 )

Valorização em 2019: 11,2%

Ethereum Classic

Criação: 2016

Valor: US$ 3,85 (R$ 15,81)

Valorização em 2019: -24%

Litecoin

Criação: 2011

Valor: US$ 44,21 (R$ 181,65 )

Valorização em 2019: 50%

Monero

Criação: 2014

Valor: US$ 52,51 (R$ 215,76 )

Valorização em 2019: 15,4%

XRP

Criação: 2013

Valor: US$ 0,22 (R$ 0,9)

Valorização em 2019: -36%

Zcash

Criação: 2016

Valor: US$ 32,86 (R$ 135,02)

Valorização em 2019: -43%

Fonte: Bloomberg