Mercado fechará em 4 h 47 min

Clientes fazem fila à espera da reabertura de lojas na rua 25 de Março, no centro de SP

TAYGUARA RIBEIRO
SÃO PAULO, SP, 10.06.2020 - COMÉRCIO-SP - Movimento de consumidores da região da 25 de Março, tradicional ponto de comércio popular no centro da capital paulista, na manhã desta quarta-feira 10). A Prefeitura de São Paulo autorizou a reabertura das lojas de rua e das imobiliárias da capital a partir desta quarta, após assinatura do acordo com os setores. Os estabelecimentos terão horário de funcionamento reduzido e devem seguir regras de higiene para evitar o contágio do novo coronavírus. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No primeiro dia de abertura do comércio na cidade de São Paulo, a região da rua 25 de março (centro) recebeu muitos consumidores no fim da manhã desta quarta-feira (10), como nos dias normais, antes da pandemia do novo Coronavirus.

Na alameda Porto Geral, pouco antes das 11h, horário permitido para a reabertura do comércio, filas e aglomerações se formaram em frente a lojas de fantasias e bijuterias.

A atendente de telemarketing Mariana Freitas Assunção, 24 anos, moradora de Guarulhos (Grande SP), saiu mais cedo de casa e passou pelo local antes de ir para o trabalho, em Pinheiros (zona oeste).

"Nesses primeiros dias sempre tem promoções e preços bem bons, vale o esforço", disse.

Ela admitiu que não procurava nenhum produto urgente. "Mas a cada hora se diz uma coisa sobre este vírus, a gente não sabe direito o que acontece e vai tocando a vida", afirmou.

Gislaine Silva Campos, 27, que mora no centro, esteve em uma loja de fantasias. Segundo ela, estava a procura de produtos de decoração para o Dia dos Namorados. "Aproveitei que não moro tão longe", afirmou. "Achei que iria estar mais vazio, não imaginava que teria tanta gente, mas já que estou aqui vou tentar aproveitar a viagem", disse.

Pelas ruas cheias da rua 25 de Março foi possível voltar a ver pessoas carregando muitas sacolas de compras. Elas passavam em meio a ambulantes sem máscaras. Alguns consumidores também não usavam o item de proteção ou deixavam ele apenas no queixo, inclusive idosos.

Como recomendado pela Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), lojas mediam a temperatura de cada pessoa que entrava nos locais. A maioria disponibiliza álcool em gel para os clientes. Muitas higienizavam mãos e até sola dos sapatos dos consumidores.

A grande presença de fiscais da prefeitura não impediu que filas enormes se formassem do lado de fora de lojas, não respeitando a distância mínima de 1 metro entre as pessoas.

REABERTURA DO COMÉRCIO EM SP

Quando: a partir desta quarta (10) Horário de funcionamento: das 11h às 15h

Regras para os lojistas

- Distanciamento social

- Higiene Sanitização de ambientes

- Orientação dos clientes e dos colaboradores

- Compromisso para testagem de colaboradores e medição de temperatura dos clientes

- Horários alternativos de funcionamento

- Redução do expediente Sistema de agendamento para atendimento

- Protocolo de fiscalização e monitoramento do próprio setor

- Esquema de apoio para colaboradores que não tenham quem cuide de seus dependentes incapazes no período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos