Mercado abrirá em 8 h 8 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,28
    -2,21 (-2,00%)
     
  • OURO

    1.806,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    30.357,52
    +748,90 (+2,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,58
    +0,47 (+0,07%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.418,15
    +184,81 (+2,55%)
     
  • HANG SENG

    19.825,12
    -73,65 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    26.603,84
    +176,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.323,00
    -59,75 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2515
    -0,0076 (-0,14%)
     

Claro é condenada a pagar R$ 16 mil a cliente por ligações em excesso

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Claro foi condenada a pagar R$ 16 mil a um cliente
Claro foi condenada a pagar R$ 16 mil a um cliente (Getty Images)
  • Claro deve pagar R$ 16 mil a cliente importunado com ligações em excesso;

  • Geison Nascimento recebeu de 20 a 30 ligações por dia da operadora nos últimos cinco anos;

  • Operadora continuou com o assédio mesmo após liminar que determinava o fim das chamadas.

A Claro foi condenada a pagar R$ 16 mil de indenização a um cliente que recebeu entre 20 e 30 ligações por dia da operadora durante os últimos cinco anos.

O advogado Geison Rios Nascimento, de 42 anos, começou a se incomodar com o assédio em 2017 e, desde então, enviou três reclamações à Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e solicitou o bloqueio das chamadas na plataforma ‘Não me Perturbe’.

Apesar de ter conseguido uma liminar em primeira instância que determinava a interrupção das ligações, elas não cessaram. O advogado, inclusive, passou a receber mensagens por SMS e pop-ups da operadora.

“Fiz um levantamento quando entrei com a ação em 2020 e a Claro estava envolvida em outros dez mil processos. Juntei provas que demonstram que essa é uma conduta reiterada, muitos consumidores acabam deixando de lado, pois não têm tempo ou meios para recorrer. E a Justiça acaba não aplicando punições que de fato levem as empresas a mudar a sua conduta”, disse Nascimento ao portal O Globo.

Em decisão tomada pela 21ª Vara Cível de Brasília e apoiada pela da 7ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, a empresa deverá pagar R$ 6 mil por danos morais – valor solicitado pelo advogado, que se autorrepresentou no processo – e outros R$ 10 mil pelo descumprimento da liminar.

Recentemente, a Claro também teve que indenizar uma consumidora que foi importunada com mais de 100 ligações em apenas dois dias. A vítima estava sendo cobrada de uma dívida que não existia, sendo que já havia suspendido os serviços prestados pela empresa, e deve receber R$ 2 mil por danos morais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos