Mercado abrirá em 7 h 9 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,80
    -0,94 (-1,19%)
     
  • OURO

    1.644,20
    -11,40 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    18.818,71
    -172,14 (-0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,19
    -13,34 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.839,22
    -94,05 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    26.433,60
    -720,23 (-2,65%)
     
  • NASDAQ

    11.268,00
    -108,75 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0819
    -0,0157 (-0,31%)
     

Clareza, coerência e resiliência são fundamentais em um pitch, diz CEO do Enjoei

·2 min de leitura

Além da apresentação de elementos concretos na hora de um pitch, como tamanho de mercado, modelo de negócio e planejamento de execução, Tiê Lima, co-fundador e CEO da Enjoei, destaca alguns aspectos subjetivos, mas que podem fazer toda a diferença na hora de vender a ideia para um investidor.

Mostrar clareza nos objetivos

Em primeiro lugar, o executivo acredita que é preciso ter muita convicção nos objetivos. “Quando as pessoas não estiverem acreditando plenamente no tamanho do mercado, elas vão olhar para você para saber se você vai fazer aquilo ou não”, diz Tiê Lima.

Ter coerência entre os discursos

Outro ponto essencial, é levar para a mesa de investidores um discurso em consonância com aquele que é passado para o time da empresa. “Aquela história que você conta para as pessoas que trabalham com você acreditarem no que elas estão fazendo e no que você está vendo não pode ser tão diferente daquela contada aos investidores”, afirma o CEO do Enjoei.

Apresentar um time resiliente

Não menos importante é a habilidade do empreendedor em demonstrar a sua capacidade de conseguir trazer pessoas para trabalhar com ele e o quanto ele vai resistir às dificuldades que vão surgir no caminho. “Um dos primeiros investidores que nós tivemos no Enjoei falou: ‘eu gostei muito de vocês, gostei muito do projeto, mas eu tenho certeza que o que vocês estão desenvolvendo será um pouco diferente do que vocês estão fazendo. Mas vocês são as pessoas que vão encontrar o melhor jeito para executar.’”, relembra Tiê Lima.

A Enjoei foi fundada em 2009 por Tiê Lima e sua esposa Ana Luiza McLaren. De lá pra cá, a empresa se transformou em um negócio do mercado circular, como uma plataforma que conecta pessoas que querem vender produtos usados a consumidores interessados em comprá-los. Em 2020, a Enjoei (ENJU3) fez um IPO, no qual conseguiu quando a empresa conseguiu captar R$ 1,13 bilhão. Apesar do prejuízo nos três primeiros trimestres de 2021 (até o fechamento desta matéria, o balanço anual não havia sido divulgado), o Enjoei encerrou o ano com 1 milhão de compradores ativos e 1 milhão de vendedores na plataforma.