Mercado abrirá em 3 h 4 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,84
    -0,58 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.786,50
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    65.843,09
    +1.716,43 (+2,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.549,80
    +69,00 (+4,66%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.196,67
    -26,43 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.342,50
    -35,00 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

Cláudio Castro veta autorização para convocação de aprovados em concurso da PM de 2014

·2 minuto de leitura

O governador do Estado do Rio Cláudio Castro vetou o projeto de lei que autorizaria a convocação de todos os aprovados em um concurso da Polícia Militar realizado em 2014. A seleção foi para o Curso de Formação de Soldados. Segundo ele, a questão era de competência privativa do Chefe do Poder Executivo, e não poderia ter sido elaborada na Assembleia Legistiva.

Na decisão publicada no Diário Oficial, Castro colocou que são responsabilidade do Executivo as leis que dispõe sobre a “criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta e autárquica do Poder Executivo ou aumento da sua remuneração”, bem como sobre “servidores públicos do Estado, seu regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, reforma e transferência de militares para a inatividade”.

De autoria dos deputados Bruno Dauaire (PSC), Martha Rocha (PDT), Rodrigo Amorim (PSL) e Vandro Família (SDD), o projeto contemplava os candidatos que, até a data da inscrição dos certames, tinham 35 anos de idade. Uma emenda ao texto original estabeleceu ainda que o chamamento só ocorreria se houvesse vagas remanescentes não ocupadas por mulheres, conforme estabelecido pela Lei 8.382/19. A norma autoriza o Poder Executivo a ocupar vagas remanescentes destinadas aos aprovados do sexo masculino, quando o número de aprovados não atingir o total de postos disponíveis para ocupação imediata, para candidatas do sexo feminino que tenham obtido a pontuação mínima exigida.

Os autores defendiam que o projeto pode contribuir para sanar o déficit de servidores na Segurança Pública, além de fazer justiça com os aprovados que há tanto tempo aguardam a chance para fazer o curso de formação.

— Esse projeto é um avanço não só para esses homens e mulheres que lutam pelo seu direito, mas também a toda sociedade que vai ganhar com mais policiamento — afirmou Bruno Dauaire.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos