Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.674,07
    +967,37 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Clássicos do cinema: 10 dos melhores filmes dos anos 1980

Laísa Trojaike
·10 minuto de leitura

A moda se repete, se reinventa e, do nada, surgem obras novas que fazem muitas referências à geração que formou essa geração mais recente de artistas. Hoje, em séries como Stranger Things e Sex Education, a estética e mesmo a cultura pop dos anos 1980 contribuíram para o surgimento de uma nova onda de apreciadores do jeito oitentista de ser (ou pelo menos o que sobreviveu de bom daquela época).

São filmes que marcaram a geração dos seus avós, pais ou mesmo irmãos mais velhos, inclusive de pessoas que, aqui no Brasil, curtiram nos anos 1990 os sucessos da década anterior, que demoraram um pouco para chegar na TV aberta.

Muitos filmes (muitos mesmo!) ficaram de fora dessa lista, mas aqui estão alguns dos títulos mais marcantes e que sobreviveram ao tempo, apesar de aqui ou acolá trazerem ideias que, hoje, rejeitamos. Estes são títulos que ficaram não só na memória das pessoas, mas no imaginário de uma época, que foi justamente o que proporcionou o surgimento das obras oitentistas que vemos hoje.

10. Footloose - Ritmo Louco

Quem imaginaria, hoje, que Kevin Bacon seria um herói teen? Pois foi. E com direito à muita rebeldia. Quando o jovem Ren (Bacon) se muda de Chicago para uma pequena cidade do interior, ele esbarra com uma estranha proibição: o concelho da cidade proibiu a dança e o rock. Mas claro que Ren não iria se conformar com isso.

Footloose se junta a outros grandes filmes dos anos 1980 que trouxeram a dança como uma parte importante da história e quase sempre com uma mensagem de resistência da juventude com as novas expressões artísticas pouco aceitas pelas gerações mais antigas. Se juntaram a Footloose nessa causa outros sucessos oitentistas como Flashdance: Em Ritmo de Embalo (1983) e Dirty Dancing: Ritmo Quente (1987).

Footloose - Ritmo Louco pode ser assistido pelos streamers do Telecine e do NOW, além de o título estar disponível para aluguel ou compra na Play Store, na Microsoft Store e na iTunes.

9. Clube dos Cinco

Hoje, o sucesso de Clube dos Cinco intriga muitas pessoas, sobretudo porque, para o público contemporâneo, há muito mais respeito pelos adolescentes. A década de 1980 foi permeada de revoluções culturais importantíssimas e uma delas foi uma maior consideração pelos pensamentos dos jovens, que tiveram uma grande e importantíssima representatividade nos filmes de John Hughes.

Quando a maioria dos filmes representava quase sempre a mesma coisa, como festas de formatura (olá, Footloose!) e intrigas entre estudantes, Hughes aproveita o contexto escolar de uma forma completamente diferente: agora representantes de "tribos" diferentes precisarão conviver juntos, em um sábado, na escola praticamente vazia, forçando os personagens a se abrirem muito mais e mostrando as camadas que se ocultam por trás das aparências, ou seja, mostrando os adolescentes de uma forma muito mais complexa que outros filmes da época e revelando o quão rasa pode ser a rotulação.

Clube dos Cinco pode ser comprado ou alugado na Play Store, além de estar disponível apenas para compra no Looke.

8. E.T.: O Extraterrestre

Esqueça tudo o que você já imaginou sobre filmes com alienígenas. Steven Spielberg trabalhou em diversos dos filmes mais icônicos dos anos 1980 e 1990 e não poderia faltar um dos temas favoritos do cineasta: alienígenas. Mas sem grandes ataques massivos e humanos desesperados para todos os lados: apenas uma inocente aventura sobre crianças que encontram o diferente e, ao invés de investirem no espanto diante de algo novo, resolvem ajudar o E.T. a retornar para casa (o que, inclusive, lembra uma das frases mais icônicas do filme).

E.T. é marcante por muitos motivos e podemos encontrar seus herdeiros não somente nas referências à silhueta da bicicleta com a lua ao fundo, mas em produções recentes que não escondem sua inspiração em E.T., como Stranger Things e Bumblebee. Personagens, E.T., efeitos visuais, trilha sonora, direção… toda a equipe do filme trabalhou duro para tirá-lo do papel, mas valeu a pena e até hoje o filme segue sendo referência de aventura sci-fi com crianças. Ah, e um detalhe: em diversos momentos do filme podemos ver uma boneca idêntica à verdadeira Annabelle, um easter egg involuntário que existe muito mais para os espectadores contemporâneos que já conhecem a boneca.

E.T.: O Extraterrestre está nos catálogos do Amazon Prime Video, do Telecine e do NOW, além de poder ser comprado ou alugado na Play Store, na iTunes e no Looke.

7. Gremlins

E.T. pode ter sido fofo, mas não o suficiente para querermos ter um em casa, como aconteceu com Gremlins. Ok, não exatamente os Gremlins. Mas o Gizmo foi (e continua sendo) uma espécie de Baby Yoda oitentista: ninguém entende, não sabemos qual é sua missão no mundo, mas não importa, o defenderemos por sua tremenda fofura.

A origem mitológica dos Gremlins passou longe do cinema mainstream, mas o filme não ignora que a ideia de monstrinhos destruidores se popularizou entre os soldados aliados durante a Segunda Guerra Mundial. O filme ainda consegue desenvolver a história no contexto de uma cidade pequena não para falar sobre os alemães, mas para contar uma história sobre família, amizade e lealdade, tudo isso no contexto de uma véspera de Natal.

Gremlins pode ser assistido pelos streamers do NOW e pode ser alugado no Looke, além de estar disponível para aluguel ou compra na Play Store, na Microsoft Store e na iTunes.

6. Top Gun: Ases Indomáveis

É brega, é datado, é meloso demais. Daqueles romances conto de fadas. Enquanto a maioria dos filmes de romance parecem ter como público alvo um tipo muito específico de mulheres, Top Gun conseguiu a façanha de unir romance e filme de ação de uma forma realmente marcante e, apesar da época, conseguiu dar força para sua personagem feminina ao ponto de criar uma representatividade que só começava a surgir na época.

Top Gun não é apenas um pré-requisito para quem quer ver Top Gun: Maverick (2021), mas porque é difícil de fugir da referência até hoje. Foi este filme que popularizou os óculos Ray-Ban Aviador e a música Take My Breath Away da banda Berlin. Quer mais referências? O ator Anthony Edwards interpreta Goose, amigo do Maverick (Tom Cruise) e você provavelmente viu o nome "Goose" recentemente: o gato amarelo de Capitã Marvel, chamado de Chewie (em homenagem a Star Wars) nos quadrinhos, ganhou o nome Goose na versão cinematográfica.

Top Gun: Ases Indomáveis está nos catálogos da Netflix, do Telecine e do NOW, podendo também ser comprado ou alugado na Play Store, na Microsoft Store e na iTunes.

5. De Volta para o Futuro

Mais uma aventura sci-fi? Temos! Os anos 1980 tiveram alguns dos melhores filmes de aventura da história do cinema e De Volta para o Futuro é um deles. O primeiro filme dá início a uma trilogia que é perfeitamente conectada e que, ao final, forma uma enorme história em três partes. De Volta para o Futuro não só conquistou o público da época, como até hoje move a própria ciência, que tentou a todo custo lançar no tempo do futuro da trilogia, no caso 2015, objetos como o Nike que se ajusta ao pé e o skate voador. Esse é um caso em que o cinema influenciou diretamente criações reais.

Além disso, Michael J. Fox como Marty McFly e Christopher Lloyd como Dr. Emmett Brown se tornaram verdadeiros grandes ícones pop ao lado do carro que utilizam para fazer as viagens no tempo, o DeLorean DMC-12, cultuado por amantes e não amantes de automóveis até hoje.

De Volta para o Futuro pode ser assistido pelos assinantes da Netflix, do Amazon Prime Video e do Telecine, além de estar também disponível para aluguel ou compra no Looke, na Play Store e na iTunes.

4. Blade Runner: O Caçador de Androides

Desta lista, este é o ícone mais cult e, apesar de não ser exatamente um filme amado por todos, é inegável que Blade Runner é um dos papéis mais icônicos de Harrison Ford, que também fez Indiana Jones e Han Solo. Sua aparição em Blade Runner 2049 (2017) não foi menos que aguardada, provando que ele é um dos motivos que fizeram o filme se tornar ainda maior. Ao lado dele, o icônico e profundo discurso de Rutger Hauer como Roy Batty, também muitas vezes referenciado em outras produções.

Mas, para além do protagonismo de Ford, é a estética de Blade Runner que perpassa o tempo. A ficção científica nunca mais foi a mesma depois de Metrópolis (1927), que influenciou profundamente Blade Runner, mas este conseguiu criar sua própria marca e, até que surja outro divisor de águas, ele segue sendo uma das maiores influências das ficções científicas que imaginam a urbanização de um mundo distópico.

Blade Runner: O Caçador de Androides pode ser assistido pelos streamers do Globoplay e do NOW, e pode ser alugado no Looke, além de estar disponível para aluguel ou compra na Play Store, na Microsoft Store e na iTunes.

3. Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida

Mais um Spielberg, claro. Indiana Jones, franquia iniciada por Os Caçadores da Arca Perdida, é incrível ao unir elementos de aventura e comédia, sempre recheados de conteúdo histórico e cultural, e criar uma franquia que continua viva (sim, tem mais um projeto de Indiana Jones em desenvolvimento). O personagem apela para o desconhecido do público, usando curiosidades religiosas como o Santo Graal e a Arca para fisgar o espectador, o que permite também toda sorte de criações, já que se tratam de objetos com pouquíssimos relatos sobre sua existência.

Claro que a franquia Indiana Jones incorre em diversos erros, alguns até desastrosos quando pensamos na representatividade de culturas não-estadunidenses, mas ainda assim é inegável que a franquia é um marco cultural, sendo no cinema o ícone que Lara Croft é nos games, só que mais divertido.

Os Caçadores da Arca Perdida pode ser assistido pelos assinantes da Netflix, do Amazon Prime Video e do Telecine Play, além de estar também disponível para aluguel ou compra na Microsoft Store, na Play Store e na iTunes.

2. A Mosca

Assim como Blade Runner, A Mosca também não vê com bons olhos algumas das coisas que desejamos para o futuro. Dirigido por David Cronenberg, o filme é um verdadeiro terror sci-fi ao mostrar as complicações de um experimento de teletransporte cujo conceito é a desconstrução de um elemento orgânico em um espaço com vistas a o reconstruir no espaço de destino. Quando o cientista resolve ser a própria cobaia, acaba tendo seu DNA fundido com o de uma mosca.

Daí em diante, o que A Mosca faz é mostrar o relacionamento amoroso desse cientista, enquanto acompanha as transformações que seu corpo sofre. Se até hoje o body horror (terror focado na agonia sofrida por um corpo) funciona, imagine décadas atrás. Nos papéis centrais, Jeff Goldblum e Geena Davis, uma dupla de atores que se tornaram icônicos por estes e outros papéis nos anos 1980. Embora ela seja menos conhecida do público contemporâneo, Goldblum segue sendo um ícone por ter aparecido também em Jurassic Park.

1. Curtindo a Vida Adoidado

Lá vamos nós com John Hughes novamente, porque até hoje o cinema procura um novo Hughes. Isso porque ninguém, até hoje, conseguiu fazer filmes teen como ele. Dialogar com a juventude significa também entender e formar essas pessoas, e a mensagem de Curtindo a Vida Adoidado não é contra a escola, ainda que a premissa do filme seja o dia de três alunos que resolveram matar aula.

O grande legado de John Hughes é a compreensão de uma faixa etária que está tentando nos dizer, através da rebeldia que parece fazer parte do seu desenvolvimento, que há mais no mundo do que apenas concluir o ensino médio e arranjar um trabalho que irá lhe consumir até a aposentadoria. Curtindo a Vida Adoidado conquista porque usa essa premissa colegial para atingir a todos nós. O legado de Hughes é enorme e tem pontos negativos, claro, mas ele está aqui para nos fazer questionar constantemente sobre o estado das coisas e sobre quem são os Hughes dos nossos tempos.

Curtindo a Vida Adoidado pode ser assistido pelos streamers do Telecine e do NOW, além de poder ser comprado ou alugado na Play Store, na Microsoft Store e na iTunes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: