Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,07 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,80 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.018,04
    +0,51 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,29 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +5,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6630
    +0,0529 (+0,80%)
     

City de Londres promete eliminar emissões de carbono até 2040

Jess Shankleman
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O distrito financeiro de Londres planeja eliminar suas emissões de dióxido de carbono até 2040, investindo 68 milhões de libras esterlinas (US$ 88 milhões) para combater mudanças climáticas e criar 800 empregos nos próximos seis anos.

A área também conhecida como Square Mile terá mais ruas dedicadas a pedestres e ciclistas, novos parques, fechamento de ruas em determinados períodos e instalação de pavimentação resistente a inundações. O plano foi anunciado na quinta-feira pela City of London Corp. Novos edifícios serão obrigados a ter planos de redução de emissões de carbono. O espaço de paredes verdes com plantas aumentará 50%.

O plano da City Corp. é mais ambicioso do que o do Reino Unido, que estabeleceu uma meta nacional para zerar a emissão líquida de carbono até 2050. O distrito financeiro é responsável pela emissão anual de 1.556 quilotons de equivalente de dióxido de carbono, o que corresponde a mais do que todas as emissões da ilha de Barbados.

O maior desafio será a redução das emissões de causa não direta. Apenas 2,3% de suas emissões vêm de operações próprias ou de fornecedores, conhecidas como emissões de escopo 1 e escopo 2.

Os 97,7% restantes das emissões, as de escopo 3, incluem tudo o que compra, vende, investe, aluga a terceiros e descarta, bem como transporte diário de trabalhadores e viagens de negócios. A corporação não usará compensações de carbono para lidar com essas emissões e, em vez disso, tomará medidas práticas de eliminação. “Trabalhando em parceria com firmas da City, iremos fortalecer nossa posição e estaremos na liderança mundial na luta contra mudanças climáticas”, afirmou Catherine McGuinness, responsável por políticas internas da City of London Corp., em comunicado.

Os planos incluem:

Um novo fundo de ação climática administrado pela corporação e outras empresas da Square Mile que investirá em tecnologias de carbono zeroAlinhamento da carteira de investimentos da City of London Corp. com os objetivos do Acordo de ParisInfluenciar a inclusão de análises de carbono em projetos de investimento de terceiros

A City Corp. vai gastar 2 milhões de libras na implementação de práticas de manejo sustentável de terras usadas há 150 anos em parte de seus 44 quilômetros quadrados de área verde em Londres e no sudeste da Inglaterra, além de aumentar a área de tetos verdes em mais de 50%. A corporação já toca um projeto piloto este mês que coloca gado para pastar em um parque no leste de Londres para melhor gerenciar e restaurar pastagens ácidas para preservação de animais selvagens. Cada bovino usa um colar de rastreamento eletrônico para eliminar a necessidade de cercas elétricas.

Mas o plano pode não ser suficiente, de acordo com Stefano Ambrogi, porta-voz da Carbon Tracker Initiative. Um relatório divulgado pela iniciativa no início do ano concluiu que a City abriga empresas e instituições financeiras que juntas são responsáveis por, no mínimo, 15% das emissões globais.

“Obviamente, saudamos o que a City está fazendo, mas nada está sendo feito para lidar com os fundos que estão dando sustentação aos combustíveis fósseis”, disse ele.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.