Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,25
    +0,17 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.776,40
    -7,00 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    33.554,51
    +1.211,94 (+3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    800,68
    -9,51 (-1,17%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.279,25
    +16,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9280
    -0,0005 (-0,01%)
     

Citi vê processo "mais longo" de alta de juros com riscos à inflação de 2022

·2 minuto de leitura
Logo do Citi

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O Citi elevou seus prognósticos para a taxa de juros nesta terça-feira, vendo um processo "mais longo" de normalização monetária conforme a expectativa de maior crescimento econômico também gera inflação mais alta.

O cenário agora é que o Banco Central pause o atual ciclo de alta de juros com a Selic em 5,75% --antes, a previsão era que a interrupção ocorresse com os juros em 5,00%. O novo cronograma inclui uma alta de 0,75 ponto percentual da Selic em junho seguido por três elevações de 0,50 ponto nas reuniões seguintes do Copom.

"A atividade econômica mais resiliente, a pressão constante dos preços das commodities e os riscos crescentes de o alto nível da inflação de 2021 contaminar a dinâmica de preços de 2022" explicam a visão de uma Selic mais alta, disseram em relatório Leonardo Porto, Paulo Lopes e Thais Ortega.

Os profissionais revisaram ainda os números para o desempenho do PIB e a inflação. De acordo com eles, os impactos econômicos da segunda onda de Covid-19 têm sido "muito mais suaves" do que o esperado, e os dados melhores referentes ao primeiro trimestre justificaram o aumento da projeção do crescimento econômico em 2021 de 3,0% para 3,6%.

Para o período entre janeiro e março, a estimativa é que tenha havido expansão de 0,2% na margem, ante prognóstico anterior de contração de 0,4%. No segundo trimestre, o PIB deverá retrair 0,5%, queda considerada "transitória" pelos especialistas do Citi.

O banco elevou a projeção para o PIB de 2021, mas cortou a estimativa para 2022 --de 2,0% para 1,8%--, citando um hiato do produto menos negativo e menor estímulo monetário.

Mesmo com a economia em ritmo mais lento e juros maiores em 2022, ainda há riscos de alta para a inflação no ano que vem, avaliaram os profissionais, que por ora mantêm cálculo de que o IPCA subirá 3,5% no próximo ano --exatamente a meta de inflação.

"Olhando para o futuro, a principal preocupação é se a impressão de inflação mais alta em 2021 vai alimentar previsões de preços para 2022", disseram. Os riscos à inflação em 2022 incluem inércia e persistência adicional de pressões de energia e do atacado.

Para 2021, o Citi ajustou a estimativa para o IPCA de 4,9% para 5,3%, ligeiramente acima do teto da banda de tolerância da meta de inflação --de 5,25%. O banco espera mais pressão dos preços das commodities e da eletricidade, com os reservatórios de água em níveis preocupantes.

O pico da inflação anual ocorrerá no próximo mês, com alta de 8,1%. "Vale ressaltar que as medidas de núcleo também estão subindo (atualmente em 3,7% em média), desafiando a interpretação do BCB de que a recente alta da inflação é temporária."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos