Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.098,55
    -2.278,15 (-9,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Citi se prepara para demitir funcionários não vacinados nos EUA

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O Citigroup foi o primeiro grande banco de Wall Street a impor uma ordem rigorosa de vacinação contra a Covid-19: quem não se vacinar corre risco de demissão. O prazo para os funcionários tomarem a decisão está perto do fim e a instituição se prepara para tomar providências.

Most Read from Bloomberg

Funcionários que atuam nos escritórios e não cumprirem a determinação até 14 de janeiro serão colocados em licença não remunerada e desligados até o fim do mês, de acordo com um comunicado enviado a colaboradores e visto pela Bloomberg.

Alguns serão elegíveis a bônus de fim de ano, mas para receber o dinheiro precisarão assinar um termo se comprometendo a não processar judicialmente a instituição, segundo o comunicado.

Mais de 90% dos funcionários do Citigroup nos EUA cumpriram a regra, que também permite isenção por motivos religiosos ou médicos, de acordo com pessoas a par do assunto que solicitaram anonimato para discutir informações privadas.

O banco sediado em Nova York vem enfrentando mudanças nas leis em diferentes regiões dos EUA e críticas por alguns funcionários que ganharam a atenção do público, refletindo a polarização em torno da vacina em todo o país.

Uma porta-voz do Citigroup confirmou que mais de 90% dos funcionários cumpriram a regra e que esse percentual está subindo rapidamente, mas se recusou a fazer comentários adicionais.

A chegada da variante ômicron atrapalhou os planos das empresas americanas de trazer pessoal de volta ao escritório. Paralelamente, as exigências de vacinação impostas por empregadores foram parar nos tribunais. O Citigroup determinou que aproximadamente 70.000 colaboradores se vacinem e esta exigência é das mais rigorosas no setor financeiro dos EUA, que vem tentando tirar os funcionários do home office.

Rivais como Goldman Sachs Group e JPMorgan Chase também fizeram exigências de imunização, mas permitem que os funcionários não tomem a vacina se não entrarem nos escritórios.

Os mandatos de vacinação se tornaram um problema para empregadores em diversos setores — de hospitais a forças policiais e corporações — e já resultam em litígios e resistência por parte de alguns trabalhadores, apesar de haver amplo enquadramento de maneira geral. Nesta sexta-feira, a Suprema Corte dos EUA ouve argumentos sobre uma ordem da Casa Branca para que grandes empregadores exijam vacinas ou testes semanais de Covid, sinalizando mais mandatos adiante se a regra avançar.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos