Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,11
    -2,54 (-3,00%)
     
  • OURO

    1.798,30
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    58.736,66
    -3.492,11 (-5,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.407,82
    -66,51 (-4,51%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.592,50
    +47,50 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4390
    -0,0151 (-0,23%)
     

Citi projeta dólar a R$5,47 no fim de 2021 com riscos domésticos e exterior menos favorável

·2 minuto de leitura
Notas de reais e dólares

SÃO PAULO (Reuters) - Os riscos fiscais domésticos são provavelmente o principal fator para a desvalorização da moeda brasileira, e com a perspectiva de que o ambiente global para mercados emergentes fique menos benigno o real deve encerrar este ano em 5,47 por dólar, projetou o Citi em relatório nesta quarta-feira.

Há pouco menos de duas semanas, o banco estimava taxa de câmbio de 5,33 por dólar no término de 2021.

Segundo o Citi, a divisa brasileira já tem sido negociada em patamares subvalorizados desde o início da pandemia de Covid-19, uma vez que, "com exceção do prêmio de risco, todas as outras variáveis estão em níveis que deveriam ter ajudado uma valorização do real".

Entre esses fatores, o relatório apontou a alta dos preços das commodities, os patamares mais baixos do índice do dólar atingidos durante a pandemia e o aumento recente do diferencial de juros entre Brasil e economias avançadas.

Isso, por sua vez, sugere que "riscos domésticos relacionados principalmente a incertezas fiscais podem ser a grande força mantendo o real desvalorizado", escreveram no documento Leonardo Porto (economista-chefe do Citi no Brasil), Thais Ortega e Paulo Lopes (economistas).

Segundo o Citi, essa hipótese é reforçada pela disparidade de desempenho entre a moeda brasileira e as de outros pares de países exportadores de commodities, que tiveram desvalorização bem mais comportada desde o início da pandemia.

Nesse contexto, não fosse o cenário internacional benigno para moedas de países emergentes, "provavelmente teríamos visto um real bem mais desvalorizado nos últimos 18 meses", afirmaram os economistas do Citi.

E conforme o ambiente favorável vai ficando para trás --em meio a expectativas crescentes de aperto monetário nos EUA, dúvidas sobre o crescimento econômico global e possibilidade de impacto sobre as commodities--, o real pode estar mais vulnerável a guinadas negativas no cenário para as moedas de países emergentes, alertou o Citi.

Nesta quarta-feira, o dólar era negociado em torno dos 5,49 reais na venda, acumulando alta nominal de 5,8% em 2021. Em relação aos patamares do fim de fevereiro de 2020, antes de a pandemia forçar restrições econômicas de combate à Covid-19, o dólar tem alta de 22,5%.

No mesmo período, um índice do JPMorgan para moedas de países emergentes acumula desvalorização de pouco mais de 5%.

Para o fim de 2022, o Citi projeta taxa de câmbio de 5,49 por dólar.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos