Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    121.895,81
    +14,99 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.300,97
    +81,71 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,26
    +0,89 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.867,40
    +29,30 (+1,59%)
     
  • BTC-USD

    43.202,17
    -4.146,07 (-8,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,63
    -3,29 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.156,05
    -17,80 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    34.289,82
    -92,31 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.252,00
    -135,00 (-1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3945
    -0,0095 (-0,15%)
     

Citi eleva Brasil a "marketweight" após acordo orçamentário dar impulso a agenda reformista

·1 minuto de leitura
Logo do Citi

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - O Citi melhorou a recomendação para o Brasil em seu portfólio-modelo para "marketweight" (na média do mercado), depois de permanecer "underweight" (abaixo da média) desde outubro do ano passado, citando respiro do lado fiscal, redução de casos de Covid-19 e algum impulso para a agenda de reformas no Congresso.

Para Donato Guarino, estrategista para mercados emergentes do banco, o conjunto de notícias é positivo e deve amparar os spreads de dívida soberana do Brasil, que tiveram desempenho pior que os de outros países também com rating "BB".

Desde 1º de outubro de 2020, a dívida soberana brasileira teve perda de 18 pontos-base em relação ao índice ESBI, índice proprietário do Citi para bônus soberanos de mercados emergentes. No mesmo período, a desvalorização contra outros países "BB" foi de 84 pontos-base --atualmente, esse spread está em 30 pontos-base.

Os desafios no longo prazo, contudo, persistem, ponderou Guarino.

"Do ponto de vista fiscal, o país precisará de consolidação após o grande aumento de gastos com a pandemia. Nossos economistas ainda acreditam que os gastos públicos ultrapassarão o teto de gastos em 158 bilhões de reais (2% do PIB), estimativa pior que a de consenso", completou.

(Por José de Castro e Isabel Versiani)