Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.005,59
    -653,10 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Citi alerta para perda com empréstimos por imposto sobre carbono

Jenny Surane
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Segundo o Citigroup, a rápida implementação de um imposto sobre o carbono provavelmente levaria a um aumento significativo das perdas com empréstimos do banco para certas empresas de petróleo e gás.

Em um cenário calculado pelo banco, que aplicou um imposto de US$ 50 a cada tonelada de dióxido de carbono produzida por empresas de exploração e produção durante um período de três anos, o Citigroup registraria um “aumento significativo, mas administrável, na perda esperada”, segundo relatório divulgado na quinta-feira.

“É um exercício interessante testar uma carteira de clientes em um esquema de preço de carbono de início rápido e entender o que acontece e quais clientes são resilientes e quais são os ingredientes para a resiliência”, disse Val Smith, diretora de sustentabilidade do Citigroup, em entrevista.

O Citigroup publicou o relatório - o segundo desse tipo - como parte do compromisso da empresa de implementar uma série de recomendações feitas pela Força-Tarefa para Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima. Para a iteração mais recente do relatório, os acionistas pediram ao banco que avaliasse mais riscos climáticos de curto prazo que clientes do Citigroup poderiam enfrentar, disse Smith.

Ao longo do relatório, a instituição fez uma distinção entre riscos de transição - aqueles relacionados à transição da economia para o uso de menos carbono, como novas políticas ou tecnologias climáticas - e riscos físicos, incluindo aqueles produzidos pelos impactos físicos da mudança climática, como a elevação dos níveis do mar ou eventos climáticos extremos.

Ao avaliar seu portfólio, o Citigroup descobriu que empresta a 25 setores que enfrentam um alto nível de risco de transição ou risco físico.

“Foi importante publicar essas informações para que nossos investidores e outras partes interessadas possam realmente começar a entender onde temos exposição e quanto disso é um risco climático mais elevado”, disse Smith. “Isso dá informações sobre onde vamos nos concentrar.”

Wall Street enfrenta cada vez mais pressão para medir e abordar melhor os impactos de seus empréstimos na mudança climática. O Citigroup, um dos maiores credores para empresas de energia, disse no início deste ano que vai medir e divulgar as emissões vinculadas à sua carteira de empréstimos e que trabalha para financiar US$ 250 bilhões em atividades sustentáveis até 2025.

O Citigroup já começou a fazer lobby com o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, e com o Congresso para aprovar soluções “ambiciosas” contra a mudança climática, disse o CEO do banco, Michael Corbat, no relatório de quinta-feira.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.