Mercado fechado

Cirque du Soleil recebe ajuda de Quebec para reestruturar dívida

Paula Sambo e Sandrine Rastello

(Bloomberg) -- O governo do Quebec apoiará o vencedor da oferta pelo Cirque du Soleil com empréstimos se os novos proprietários da empresa de entretenimento puderem cumprir certas condições, disse o ministro da Economia da província.

O governo do primeiro-ministro Francois Legault participa da recapitalização do Cirque, que foi obrigado a suspender as apresentações devido à pandemia de Covid-19. O governo de Legault quer garantir que a sede da empresa, com falta de caixa, permaneça em Quebec e que o Cirque possa reemergir com um ônus da dívida muito menor, disse o ministro da Economia, Pierre Fitzgibbon, em entrevista à Bloomberg News.

O Cirque cresceu de uma trupe de artistas de rua de Quebec para uma gigante do entretenimento global, mas aquisições e a compra de US$ 1,5 bilhão por investidores de private equity deixaram a empresa endividada. Fitzgibbon descreveu a estrutura de capital do Cirque como “um desastre”, com US$ 900 milhões em empréstimos.

Os credores já têm controle efetivo do Cirque, disse, e podem precisar converter empréstimos em participação acionária.

No mês passado, o governo de Legault concordou em emprestar até US$ 200 milhões para os principais acionistas do Cirque - TPG, Fosun International, com sede em Xangai, e Caisse de Depot et Placement du Quebec - para ajudar na retomada da empresa. Mas o dinheiro não pode ser sacado, a menos que esse grupo de acionistas tenha o controle quando o processo de recapitalização for concluído, disse Fitzgibbon.

Se outro grupo de investidores vencer, o governo está preparado para oferecer empréstimos em condições semelhantes, disse Fitzgibbon. Quando a reestruturação for concluída, o governo quer que sua dívida seja a única dívida remanescente na empresa, acrescentou - “não haverá mais desastre na estrutura de capital”.

“Tivemos pessoas perguntando se o empréstimo estaria disponível, já que assinamos com o TPG. Eu disse: ‘Não preciso me levantar e dar os detalhes agora, mas se você vencer e aceitar nossas condições, sim’”, disse Fitzgibbon.

O ministro estimou que o Cirque precisaria de cerca de US$ 300 milhões para reiniciar as atividades e continuar operando pelos próximos 18 a 24 meses. Os termos do acordo com o TPG levariam os acionistas a injetar US$ 100 milhões, além dos US$ 200 milhões de Quebec, disse. Um porta-voz do Cirque não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O governo não considerou viável emprestar dinheiro diretamente ao Cirque antes que o processo de recapitalização seja concluído, disse Fitzgibbon.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.