Mercado abrirá em 8 h 18 min
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.022,89
    +805,31 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Cinema volta à Somália após décadas de proibição

·1 minuto de leitura
Atriz e roteirista Kaif Jama

Por Abdirahman Hussein

MOGADÍCIO (Reuters) - Dezenas de somalis posaram para selfies e conversaram animadamente em fileiras de cadeiras de pelúcia vermelha enquanto esperavam o início da primeira exibição de cinema no país em três décadas.

Entre a plateia do Teatro Nacional estava Kaif Jama, de 24 anos, roteirista e estrela dos dois filmes em cartaz: o terror "Hoos", sobre uma mulher solteira que se muda para uma casa vazia, e uma comédia não tão romântica intitulada "Date from Hell".

"Isto significa algo para todos, incluindo eu. Isto é para cada somali que quer fazer filmes", disse Jama, que usava um vestido tradicional com listras prateadas, amarelas e verdes.

Ela deixou a Somália quando tinha seis anos e circulou entre o Quênia e Uganda até se estabelecer no Cairo aos 19 anos.

Desde então, ela já fez 60 curtas-metragens e esquetes com o cineasta conterrâneo Ibrahim CM.

Há anos os somalis assistem filmes indianos e árabes em suas televisões, contou ela. "Mas se nossos próprios filmes forem para o cinema e as TVs, cada pessoa e criança somali será moldada e influenciada por sua própria cultura."

Militantes islâmicos que assumiram o controle do país em 2006 fecharam o Teatro Nacional, proibindo todo tipo de entretenimento "pecaminoso", mas tropas da União Africana retomaram a capital em 2011 e o novo governo de apoio ocidental o reabriu no ano seguinte.

"A ultima vez que assisti filmes no cinema foi em 1991", contou Hassan Abdulahi Mohamed, morador de Mogadício.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos