Mercado fechará em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    113.852,18
    +569,51 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.561,22
    +455,51 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,50
    +1,52 (+2,05%)
     
  • OURO

    1.753,70
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    43.076,83
    -211,81 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.066,93
    -34,59 (-3,14%)
     
  • S&P500

    4.439,07
    -16,41 (-0,37%)
     
  • DOW JONES

    34.891,58
    +93,58 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.134,25
    -184,50 (-1,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2704
    +0,0148 (+0,24%)
     

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Mercado monitora a evolução da crise energética, com possível aumento da bandeira da Aneel, e chances de um entendimento em tornos dos precatórios, além do orçamento de 2022. Após a primeira reação positiva à fala do presidente do Fed, Jerome Powell, nesta sexta-feira, indicadores mostrarão o pulso da economia aqui e no exterior. PIB no Brasil, payroll nos EUA e PMI na China são destaques. Veja assuntos da próxima semana:

Crise hídrica

A crise hídrica segue no radar no mercado, na expectativa de manutenção da bandeira tarifária no patamar mais elevado, além da possibilidade de aumento no valor da cobrança extra pela Aneel. A bandeira vermelha 2 deve ter alta de até 58% a partir de setembro, segundo Globo. Embora a decisão da Aneel ainda esteja para ser anunciada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira que a bandeira já subiu, mas que o aumento foi menor e será mantido por mais tempo. “Ia subir até mais um pouco por um breve período de tempo, mas eu sugeri moderação”, disse o ministro. Presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, afirmou que as represas das usinas hidrelétricas estão “no limite do limite” e que espera a retirada do ICMS da bandeira tarifária pelos governadores.

PIB e fiscal

Expectativa é de desaceleração para a expansão do PIB do 2º trimestre, que sai na quarta-feira. Estimativa mediana é de +0,1% no comparativo trimestral, após alta de 1,2% no período anterior surpreender o mercado. Semana ainda contará com outros dados importantes de atividade, como a produção industrial de julho, os PMIs e a balança comercial de agosto e a taxa de desemprego de junho. Também será divulgado o resultado fiscal primário de julho, após números fortes de arrecadação aliviarem as perspectivas fiscais para este ano, mas não para 2022. No campo da inflação, a semana começará com as projeções da pesquisa Focus e o IGP-M de agosto.

Payroll e China

Após o simpósio de Jackson Hole, uma agenda forte de indicadores nos EUA e na China aguarda os mercados. Destaque é o payroll americano de agosto, que sai na próxima sexta-feira, com estimativa de criação de 750.000 vagas, ante 943.000 em julho. Ainda serão divulgados ISM, ADP e pedidos às fábricas nos EUA. Na China, onde as pressões do governo sobre o setor de tecnologia têm gerado volatilidade nos mercados, saem PMIs de agosto a partir do dia 30. Opep+ discute oferta de petróleo na próxima semana.

Precatórios e IR

O mercado segue monitorando as negociações em torno dos precatórios, após surgirem sinais de um entendimento entre o governo e o Judiciário sobre o tema. A solução deve vir em duas semanas, disse o ministro Paulo Guedes. Segundo ele, o CNJ vai avaliar o montante e, se ficar acima da capacidade de pagamento da União, o desembolso vai ser diluído para obedecer o teto. O presidente do STF, Luiz Fux, confirmou que as instituições estão conversando. O governo tem até o dia 31 de agosto para enviar ao Congresso o orçamento de 2022. Na Câmara, o presidente da Casa, Arthur Lira, disse que na próxima semana marcará reunião com governadores, que alegam que haverá perdas com o texto da reforma do Imposto de Renda.

Leia mais: Brasília em Off: 7 de setembro será termômetro do time de Guedes

Empresas

A Vibra Energia, novo nome da BR Distribuidora após a saída da Petrobras do seu capital e sua consolidação como corporation, promove encontro com investidores no dia 1 de setembro. A companhia quer deixar de ter seu nome associado à distribuição de combustíveis e se reposicionar como empresa de energia. CCR, Gerdau, Pague Menos e Aliansce Sonae também promovem encontros com investidores.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos