Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,63
    +1,20 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.813,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.363,68
    -30,30 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,48
    +0,09 (+0,01%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.563,55
    -47,68 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.742,15
    -515,10 (-1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.193,25
    -12,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3111
    +0,0040 (+0,06%)
     

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- Ajuste final do overhedge balizará o câmbio na última semana do ano, que deve seguir com baixa liquidez. Mercado de juros checa se expectativas inflacionárias seguirão melhorando na Focus. Agenda ainda destaca IGP-M e resultados fiscais no Brasil e PMIs na China. B3 terá leilão da Cedae.

Most Read from Bloomberg

Overhedge

O BC caminha para completar o ajuste do overhedge no encerramento do ano. As atuações para este fim somam US$ 17,5 bilhões após o leilão de US$ 700 milhões feito nesta quarta-feira. Como os leilões têm sido feitos todas as segundas e quartas, em tese ainda haveria espaço para mais duas atuações, o que elevaria o total para quase US$ 19 bilhões. A expectativa entre analistas, porém, é que o BC faça no máximo mais um leilão, completando um total de US$ 18,2 bilhões. O ajuste de posições se refere a uma mudança regulatória que obrigou os bancos a reduzirem o hedge adicional de seus ativos no exterior. Metade deste ajuste foi feito no ano passado e a outra metade está sendo feita agora. Nas atuações à vista, o BC já vendeu US$ 3,9 bilhões desde 10 de dezembro. O BC também já antecipou que iniciará a rolagem dos swaps de março no dia 3 de janeiro.

Focus e IGP-M

Focus na próxima segunda-feira será avaliada com atenção após a pesquisa desta semana mostrar leve queda nas projeções de IPCA para 2023 e 2024. Recuo foi visto como sinal inicial de que o BC já pode estar conseguindo reancorar as expectativas de longo prazo, o que ajudou a aliviar a curva de juros nos últimos dias. O IGP-M de dezembro sai na quarta-feira, com estimativa de aceleração do dado mensal para 0,63%. Juros futuros voltaram a subir nesta sexta-feira após uma breve reação de queda ao IPCA-15 de dezembro. O índice ficou abaixo do previsto, mas ainda segue em nível elevado e exige cautela do BC, segundo analistas. Semana ainda terá resultado fiscal e taxa nacional de desemprego.

Agenda externa

Em semana rarefeita em termos de indicadores, a China divulgará no dia 30 o PMI manufaturas de dezembro. A estimativa é de que o índice recue de 50,1 para 49,9, ligeiramente abaixo da medida de 50, que determina contração ou expansão. Para o PMI serviços, estimativa é de desaceleração de 52,3 para 51,8. EUA divulgarão vendas pendentes de moradias e pedidos de seguro-desemprego. Sem indicadores com potencial de maior impacto nos negócios, mercado deve seguir reagindo ao noticiário sobre a ômicron e o plano econômico do governo Biden nos EUA.

Pressões fiscais

Embora o orçamento de 2022 já tenha sido aprovado pelo Congresso, pressões por mais gastos ainda persistem. Segundo os jornais, a equipe econômica tem sido pressionada a estender reajustes salariais a todos os servidores, depois de algumas categorias terem ficado contrariadas pela decisão do presidente Bolsonaro de dar aumento apenas aos policiais federais. Há ainda movimentos da área política para elevar o valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para 600 para ajudar a base governista nas eleições, mas a equipe do ministro Paulo Guedes argumenta que não há espaço fiscal e uma deterioração maior das contas públicas poderia prejudicar a economia, custando a reeleição do presidente.

Leia mais: Brasília em Off: O dilema econômico de Bolsonaro

Cedae

O leilão do Bloco 3 da Cedae, companhia de saneamento do Rio de Jeneiro, ocorrerá no dia 29 de dezembro. Segundo o BNDES, nessa fase o vencedor do leilão, a ser realizado na B3, em São Paulo, deverá universalizar o fornecimento de água e tratamento de esgoto para mais de 2,7 milhões de pessoas em até 11 anos, de acordo com o novo marco legal do saneamento.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos