Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.454,92
    +526,33 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Cientistas usam vírus para produzir 20% mais THC em variante de cannabis

Cientistas da Hebrew University of Jerusalem, em Israel, modificaram geneticamente pés de cannabis para produzirem níveis maiores de substâncias utilizadas em tratamentos médicos, como o tetraidrocanabinol (THC). O objetivo primário do estudo era encontrar maneiras de intervir em caminhos bioquímicos na planta para aumentar ou diminuir a produção de substâncias ativas.

Vírus e genes

Para modificar geneticamente a cannabis, os pesquisadores manipularam um vírus de plantas, primeiro neutralizando seus efeitos nocivos nos seres vivos, e então fazendo com que expressasse os genes que influenciam a produção de substâncias ativas nos pés da espécie: são ferramentas biológicas sintéticas, segundo os cientistas. O uso dessas ferramentas é inovador na área, especialmente em pés de cannabis, manipulados dessa forma pela primeira vez.

Manipulação genética através de vírus é a grande responsável pelo aumento da produtividade psicoativa das verdinhas (Imagem: Jeff W/ Unsplash)
Manipulação genética através de vírus é a grande responsável pelo aumento da produtividade psicoativa da cannabis (Imagem: Jeff W/ Unsplash)

Os níveis de THC, o componente psicoativo principal da cannabis, foram aumentados em números próximos a 17%, e os de canabigerol (CBG), molécula considerada precursora de todos os canabinoides, em até 25%. A razão de terpenos, responsáveis por maximizar o efeito eufórico da planta, também foi aumentada, nesse caso entre 20% e 30%.

Até o momento, já são conhecidos mais de 200 ingredientes ativos derivados da cannabis, e diversas pesquisas vêm sendo feitas para identificar substâncias e tratamentos médicos adicionais que possam derivar da planta. Modificar as variedades da planta para produzir certas substâncias ou alterar a razão entre elas não era possível — até agora.

Segundo os pesquisadores, o estudo será útil tanto para a indústria, já que o rendimento das substâncias ativas poderá aumentar sem a necessidade de plantar mais espécimes, quanto para pesquisas médicas, já que será possível cultivar e desenvolver novas variedades para uso médico. Mais experimentos têm sido feitos pela equipe, que deve divulgar os resultados à indústria e à pesquisa farmacêutica nos próximos meses.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos