Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,71
    -0,88 (-0,80%)
     
  • OURO

    1.815,40
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    28.757,24
    -1.692,11 (-5,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,57
    -20,11 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.880,75
    -54,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2234
    +0,0051 (+0,10%)
     

Cientistas usam técnica do origami para criar robô que navega pelo corpo humano

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Pesquisadores das universidades de Stanford e Ohio State, ambas nos EUA, desenvolveram um robô macio inspirado em um origami, que pode ser utilizado para armazenar e levar medicamentos dentro do corpo humano de uma forma muito mais eficiente e menos invasiva.

Segundo os cientistas, o rastreador robótico é acionado magneticamente para auxiliar sua movimentação e orientação dentro do organismo. Essas características dão ao bot uma estrutura maleável, permitindo que ele se adapte facilmente a locais apertados e de difícil acesso.

“Para criar o robô, nós usamos um conjunto Kresling — tipo específico de origami bioinspirado que gera contração axial sob torque ou força de compressão — contendo quatro unidades. Essa configuração é ideal para operação em ambientes limitados, incluindo exploração espacial, inspeção de tubos e endoscopia gastrointestinal”, explica o professor de engenharia mecânica Qiji Ze.

Acionamento magnético

Para fornecer uma distribuição equivalente de torque e atingir os níveis desejados de contração no robô, os pesquisadores recorreram a um sistema de acionamento magnético. Segundo eles, essa solução proporciona respostas mais rápidas sem restrições de manipulação em espaços confinados.

Mecanismo de acionamento magnético do robô (Imagem: Reprodução/Stanford University)
Mecanismo de acionamento magnético do robô (Imagem: Reprodução/Stanford University)

Cada robô possui quatro placas imantadas feitas de silicone e partículas metálicas duras, usadas para ajustar a densidade da magnetização conforme a necessidade de operação. Com isso, é possível economizar energia e aumentar a autonomia do bot, dependendo da aplicação para a qual ele foi projetado.

“Usando esse sistema, podemos integrar minicâmeras, fórceps e cápsulas para medicamentos aos robôs, aumentando a eficiência e a precisão dos movimentos sem ter que abrir um paciente para levar remédios até um ponto específico do corpo, ou para o diagnóstico de doenças”, acrescenta Ze.

Bioinspiração

Os pesquisadores se inspiraram no movimento de contração e relaxamento das minhocas para desenvolver o sistema de locomoção do robô. Com base na técnica de dobradura usada para fazer origamis, eles também conseguiram aperfeiçoar a forma como o bot rasteja, sem aumentar o seu gasto energético.

Demonstração dos movimentos realizados pelo robô (Imagem: Reprodução/Stanford University)
Demonstração dos movimentos realizados pelo robô (Imagem: Reprodução/Stanford University)

A unidade projetada pelos cientistas possui uma estrutura monoestável que proporciona uma deformação suave e contínua, além de uma recuperação automática capaz de retornar ao estado inicial sem precisar esticar ou relaxar o dispositivo após a liberação da carga aplicada.

“Com esses estudo, mostramos que é possível fabricar robôs biomédicos autônomos inspirados em minhocas que, no futuro, poderão ser usados no tratamento de doenças ou para diagnosticar problemas dentro do organismo, levando medicamentos até o local de origem da patologia”, prevê o professor Qiji Ze.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos