Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.108,16
    -4.029,27 (-7,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Cientistas usam suco e iogurte para criar vacina contra covid-19

·1 min de leitura

Cientistas do Instituto Politécnico do Porto (IPP), de Portugal, anunciaram o desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19 que deve agradar aqueles que têm medo de agulha. Segundo os pesquisadores, o imunizante é comestível e pode ser ingerido em forma de suco ou iogurte.

O projeto começou ainda no início da pandemia, mas somente há cerca de seis meses os cientistas começaram a ver avanço e já estão quase finalizando os ensaios in vitro. O próximo passo será conduzir os testes em animais, como ratos, peixes e uma espécie de minhoca.

<em>Imagem: Reprodução/azerbaijan_stockers/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/azerbaijan_stockers/Freepik

Rúben Fernandes, um dos autores da pesquisa, explica que a vacina é feita à base de plantas de frutas e probióticos geneticamente modificados, estes sendo micro-organismos vivos que fazem bem à saúde dos humanos. O imunizante tem como objetivo conferir imunidade definitiva contra a covid-19, uma vez que as vacinas atuais trabalham principalmente na neutralização do coronavírus.

"Portanto, ambos são produtos preventivos, mas neste caso a vacina, vou dizer convencional, neutraliza uma infecção e as vacinas comestíveis têm a propriedade de poderem potenciar outras vacinas comuns", diz Fernandes.

Após os testes, se forem bem sucedidos, a vacina pode ser disponibilizada ao público final entre seis meses a um ano, no caso de usar apenas os probióticos. Em relação às frutas, o desenvolvimento deve demorar mais, pois as plantas precisam ser cultivadas antes de transformadas em suco.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos