Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.766,86
    -1.737,29 (-2,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Cientistas usam flocos de prata para melhorar a eficiência energética de robôs

Redação
·1 minuto de leitura

Que o metal é um excelente condutor de eletricidade todo mundo já sabe, mas agora os cientistas querem melhorar a condutividade energética dos robôs utilizando pequenos flocos de prata. A ideia é usar o composto em robôs feitos com materiais macios, à base de hidrogel, por exemplo. Esses bots, por conta da própria estrutura maleável, apresentam dificuldade para conduzir eletricidade em seus transistores.

O trabalho vem sendo desenvolvido na universidade Carnegie Mellon, nos EUA. “Quando o material está parcialmente desidratado, os flocos começam a formar conexões que podem ser usadas para fornecer uma carga elétrica. Eles funcionam como uma segunda camada de tecido nervoso sobre a pele", disse o professor Carmel Majidi, um dos responsáveis pela pesquisa.

As aplicações, de acordo com a equipe de pesquisadores, são infinitas. A principal delas está relacionada ao uso da bioeletrônica medicinal. Com o novo material condutor será possível energizar de forma muito mais eficiente equipamentos como sensores cerebrais que dependem de eletricidade para funcionar.

Segundo o professor Carmel, a implantação de um sistema que aumente a eficiência energética de dispositivos robóticos de uso medicinal é fundamental para o desenvolvimento de novas técnicas de abordagem contra doenças musculares e degenerativas que requerem um longo tempo de tratamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: