Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.906,23
    +1.614,90 (+5,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Cientistas usam fibra óptica para monitorar o abre e fecha da pandemia da COVID

·2 minuto de leitura

Para descobrir qual foi o impacto do início da pandemia da COVID-19 nas atividades humanas diárias, cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, usaram uma tecnologia de fibra óptica para o monitoramento, que usa sensores subterrâneos para captar sinais sonoros.

De acordo com Junzhu Shen, estudante da universidade envolvido na pesquisa, os sensores coletam dados bastante precisos e de alta resolução capazes de trazer o entendimento do que vinha acontecendo nas comunidades. As informações foram obtidas entre os meses de março a junho de 2020 no campus da própria universidade, e também no distrito de State College.

Os dados mostraram um período de silêncio, que coincidiu com as regras de lockdown, e na sequência uma volta da atividade conforme as medidas restritivas passavam da vermelha para a amarela e, então, verde. Com base em mudanças nas vibrações da superfície, os pesquisadores descobriram que o tráfego de veículos e as atividades de obras se recuperaram antes da movimentação de pedestres.

<em>Imagem: Reprodução/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/Freepik

Tieyuan Zhu, professor assistente de geociência da Universidade da Pensilvânia, diz que os dados de passos desapareceram e só foram recuperados quando as empresas reabriram no final de maio. Já no tráfego de automóveis, o padrão somente diminuiu para então se recuperar. "Isso pode nos dar dicas de que as pessoas estavam trabalhando remotamente e dirigiam quando precisavam sair para fazer coisas, como comprar mantimentos", diz.

Os cientistas usaram ainda sensores sísmicos e dados de mobilidade do Google, ainda que os resultados obtidos pela tecnologia da rede de fibra óptica tenham uma resolução maior. "Com os dados de mobilidade do Google, ficamos limitados a procurar por um ponto de dados para todo o condado. Com a nossa rede de alta densidade, podemos entender a variação de um ruído de uma quadra para a outra", pontua Zhu.

O estudo foi possível com a exploração de vários quilômetros de cabos de fibra óptica dos arredores, sendo aquelas encontradas com frequência para fornecer serviços de internet e telefonia para casas e empresas. Então, com a tecnologia de sistema de distribuição acústica, os pesquisadores enviaram lasers por dentro de uma das fibras de vidro que estavam dentro dos cabos, mostrando as mudanças provocadas pela pressão da energia do solo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos