Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.426,00
    -522,45 (-0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.831,95
    -213,15 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.861,20
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    54.613,30
    +917,26 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,14
    -65,80 (-4,48%)
     
  • S&P500

    4.704,54
    +15,87 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.870,95
    -60,10 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.255,96
    -35,24 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    25.319,72
    -330,36 (-1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.683,09
    +84,43 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    16.494,75
    +13,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3313
    +0,0125 (+0,20%)
     

Cientistas "turbinam" cérebro de pessoas com eletrodos e inteligência artificial

·1 min de leitura

Um novo estudo da Universidade de Minnesota (EUA) combinou inteligência artificial e estimulação elétrica para aprimorar determinadas funções cerebrais. A análise contou com 12 pacientes, que receberam — cirurgicamente — centenas de minúsculos eletrodos.

Os pesquisadores localizaram uma região do cérebro chamada de cápsula interna, responsável pelo controle cognitivo, ou seja: permitir que a pessoa mude a atenção de uma tarefa para outra. Com isso, a equipe pretende desenvolver um tratamento contra doenças mentais, como a depressão, ajudando pacientes que simplesmente não conseguem se livrar de pensamentos negativos.

Estudo aprimora funções cerebrais usando inteligência artificial (Imagem: Idimair/Envato)
Estudo aprimora funções cerebrais usando inteligência artificial (Imagem: Idimair/Envato)

O algoritmo de machine learning ajudou a equipe a isolar as habilidades de controle cognitivo dos pacientes de sua atividade cerebral e de suas ações. “O sistema pode ler a atividade cerebral, decodificar quando um paciente está tendo dificuldade e aplicar uma pequena estimulação elétrica ao cérebro para impulsioná-lo a superar essa dificuldade”, contam os pesquisadores.

Os participantes do ensaio relatam, ainda, que a ansiedade melhorou quando o sistema entrou em ação, principalmente devido ao fato de que tinham mais controle cognitivo, o que proporcionou facilidade em mudar de foco. O estudo está disponível aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos