Mercado abrirá em 2 h 30 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,44
    -0,41 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.841,20
    -7,70 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    31.412,16
    -310,40 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    632,32
    +4,66 (+0,74%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.459,46
    -107,91 (-1,64%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.935,25
    -170,25 (-1,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Cientistas treinam inteligência artificial para prever a idade humana

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

A empresa Deep Longevity, de Hong Kong, que usa a inteligência artificial para rastrear o envelhecimento humano, acaba de lançar um estudo sobre os primeiros relógios de envelhecimento que analisam e interpretam fatores psicossociais relacionados ao processo de envelhecer com base em IA.

A equipe de pesquisadores conta que os humanos passam pelos mesmos processos de vida que os animais — nascer, crescer, gerar outros humanos, adoecer e morrer —, mas são a única espécie com inteligência para mudar seus comportamentos, crenças, prioridades e atitudes durante a vida. Estudos anteriores já demonstraram que a vida humana pode ser manipulada e afetar o comportamento.

Então, para entender melhor os conceitos que definem o envelhecimento psicológico e a percepção da idade, os cientistas da Deep Longevity desenvolveram o relógio de envelhecimento baseado na metilação do DNA, um tipo de modificação química que pode ser herdada e removida. O relógio foi treinado para prever a idade humana com uma margem de erro de três anos, sendo mais preciso que qualquer outro sistema do tipo.

<em>Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay

O sistema consegue detectar, por exemplo, que mulheres com câncer de ovário são, em média, 1,7 ano mais velhas que mulheres saudáveis e com a mesma idade cronológica. Pessoas que sofrem de esclerose múltipla, da mesma forma, são 2,1 anos mais velhas que pessoas saudáveis. A companhia conseguiu também obter resultados parecidos com outras condições, como obesidade, demência e até síndrome do intestino irritável.

Os resultados do estudo mostraram que as previsões mais altas de idade revelam um envelhecimento mais rápido em suas condições. A inteligência artificial é capaz de simular efeitos do jejum, a ingestão de suplementos de longevidade, atividade física, além de outros tipos de mudança no estilo de vida. Agora, o próximo passo do estudo é explorar como o envelhecimento epigenético pode ser desacelerado com intervenções disponíveis aos consumidores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: