Mercado abrirá em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,86
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.940,50
    -4,80 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    23.018,68
    +142,12 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.780,81
    +9,11 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.118,50
    -33,50 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5290
    +0,0134 (+0,24%)
     

Cientistas testam remédio para tosse como tratamento contra Parkinson

Pesquisadores da University College London (UCL) planejam testar um remédio para tosse como tratamento para a doença de Parkinson. Trata-se do ambroxol, destinado a conter doenças respiratórias e eliminar o muco. O medicamento também é conhecido por suas propriedades anti-inflamatórias. A ideia é que o estudo sobre eficácia comece ainda neste primeiro semestre de 2023.

Anteriormente, os pesquisadores testaram o ambroxol em pessoas com Parkinson e descobriram que o medicamento pode atingir o cérebro e aumentar os níveis de uma proteína conhecida como GCase (glucocerebrosidase), que permite que as células removam proteínas residuais. Esse estudo mostrou que o ambroxol era seguro para pacientes diagnosticados com Parkinson.

Essa próxima fase deve contemplar 330 pessoas com Parkinson, que tomarão ambroxol durante dois anos. A eficácia do medicamento será medida por sua capacidade de retardar a progressão da doença usando uma escala que inclui qualidade de vida e movimento.

Cientistas testam remédio para tosse como tratamento contra Parkinson (Imagem: twenty20photos/envato)
Cientistas testam remédio para tosse como tratamento contra Parkinson (Imagem: twenty20photos/envato)

"Esta será a primeira vez que um medicamento aplicado especificamente a uma causa genética da doença de Parkinson atinge esse nível de teste e representa dez anos de trabalho extenso e detalhado em laboratório", afirmam os pesquisadores.

Ciência contra Parkinson

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 1% da população mundial a partir dos 65 anos sofre com a doença. No Brasil, a estimativa é de 200 mil pessoas com Parkinson. Enquanto isso, o Ministério da Saúde, considera como a segunda doença neurodegenerativa progressiva mais frequente no mundo, perdendo apenas para o Alzheimer.

Há muito a ciência vem buscando métodos para identificar e tratar a condição. Um estudo da USP já destacou a descoberta de uma nova substância que pode evitar a evolução da doença: trata-se de uma substância baseada em tirosina — um aminoácido que pode ser produzido naturalmente pelo organismo ou ser ingerido através de alimentos e suplementos — e age diretamente no TRPM2, um dos canais de entrada de cálcio nas células cerebrais.

Anteriormente, pesquisadores chineses inventaram um novo dispositivo capaz de simular um nariz eletrônico e rastrear casos da doença de Parkinson através do cheiro dos pacientes, de forma precoce. A ferramenta ainda está em fase de aprimoramento, mas os resultados iniciais são promissores, segundo a equipe.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: