Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.791,21
    -622,51 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Cientistas sequenciam DNA da ‘neve de sangue’ dos Alpes

·2 minuto de leitura
Cientistas sequenciam DNA da ‘neve de sangue’ dos Alpes
Cientistas sequenciam DNA da ‘neve de sangue’ dos Alpes

Uma equipe de cientistas escalou os Alpes para investigar a “neve de sangue” que tomou conta da cadeia montanhosa que se estende por parte da Europa. Segundo eles, a coloração rosa bem forte se dá por conta de algas coloridas em forma de flor que se misturam com a neve fresca para criar uma paisagem bem diferente do branco característico dessa paisagem.

A neve de sangue, que também é conhecida como neve rosa ou “neve de morango”, é uma paisagem extremamente frágil, já que, por conta de sua coloração rosada, absorve mais calor que a neve branca, o que faz com que ela derreta muito mais rápido. Esse fenômeno é potencialmente desastroso, já que pode acelerar os impactos das mudanças climáticas.

Por conta disso, uma equipe de pesquisadores europeus decidiu sequenciar o DNA que encontraram na neve rosa para descobrir o que o aumento das algas responsáveis pela mudança na coloração da neve pode significar para o ecossistema dos Alpes.

Eric Maréchael colhe uma amostra de neve rosa nos Alpes. Crédito: Grenoble University
Eric Maréchael colhe uma amostra de neve rosa nos Alpes. Crédito: Grenoble University

No curto prazo, essas algas acabam por se beneficiar do derretimento acelerado da neve, uma vez que um ambiente mais quente torna seu florescimento mais fácil. Mas no longo prazo, o aumento da temperatura pode ser desastroso para essas espécies e para todo o ecossistema que depende delas para obter nutrientes.

Muita coisa vai mudar

Em entrevista à Vice, o diretor do Laboratório de Fisiologia Vegetal e Celular da Universidade de Grenoble, na França, Eric Maréchael, disse que presenciou o desaparecimento desse ecossistema em uma velocidade assustadora. “Este ecossistema é super frágil”, declarou o professor.

Junto com sua equipe, Maréchal desejava descobrir como algas coloridas se comportam como força motriz de mudanças climáticas. Como resultado, eles conseguiram determinar quais espécies podem viver mais em locais elevados, dados que são cruciais para prever seu impacto no meio ambiente. Com base nos levantamentos, Maréchal prevê que as encostas nevadas das montanhas desaparecerão em um futuro próximo.

Leia mais:

“Este também é um momento fascinante para um pesquisador, porque você também verá o novo mundo chegando”, declarou o pesquisador à Vice. “Não sabemos exatamente o que será. Mas sabemos que a vida vai sobreviver, então haverá novas comunidades, novos arranjos e novas estruturas organizacionais”, completou Maréchal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos