Mercado abrirá em 5 h 26 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,34 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.835,20
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.844,91
    -276,78 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,64
    +16,28 (+1,75%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.017,01
    -61,41 (-0,87%)
     
  • HANG SENG

    25.974,09
    -341,23 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.838,75
    -199,00 (-1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0237
    -0,0168 (-0,28%)
     

Cientistas relatam caso raro de doença neurológica após vacina da AstraZeneca

·1 minuto de leitura

Dois estudos diferentes trouxeram casos de uma doença neurológica rara chamada síndrome de Guillain-Barré, após vacinação contra COVID-19.

Ao todo, sete casos foram relatados em um centro médico regional em Kerala, Índia, onde aproximadamente 1,2 milhão de pessoas foram vacinadas com o imunizante da AstraZeneca. Enquanto isso, quatro casos foram relatados em Nottingham, Inglaterra, em uma área na qual aproximadamente 700 mil pessoas receberam a mesma vacina.

Cientistas relatam caso raro de doença neurológica após vacinação contra COVID-19 (Imagem: Mufid Majnun/Unsplash)
Cientistas relatam caso raro de doença neurológica após vacinação contra COVID-19 (Imagem: Mufid Majnun/Unsplash)

Nessa doença, o sistema imunológico ataca os nervos. Os sintomas começam com fraqueza e formigamento nos pés e nas pernas que se espalham para a parte superior do corpo, mas pode ocorrer até mesmo paralisia. Diante disso, os pacientes costumam procurar fisioterapia.

A frequência da síndrome de Guillain-Barré nessas áreas foi estimada em até 10 vezes maior do que o esperado. Os estudos apontam que ela pode ocorrer "devido a uma resposta imunológica de reatividade cruzada à proteína spike do SARS-CoV-2 e aos componentes do sistema imunológico periférico".

Perguntando pelo Canaltech sobre qual a relação da tecnologia de adenovírus utilizada nas vacinas da AstraZeneca e da Janssen com a síndrome, o fundador e ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina Neto, opina: "Não dá para saber. Essa é a verdade. É uma boa hipótese, mas precisa de confirmação. Está tendo, mas ainda não sabemos o porquê. Por isso, é preciso investigar".

Os autores de ambos os artigos enfatizam que os médicos devem estar vigilantes na busca por essa síndrome neurológica rara após a administração das vacinas COVID-19. Os dois estudos completos podem ser acessados aqui e aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos