Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,61
    -1,36 (-1,89%)
     
  • OURO

    1.766,10
    +14,70 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    43.478,52
    -4.150,66 (-8,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.076,57
    -57,81 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.992,75
    -333,25 (-2,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2465
    +0,0471 (+0,76%)
     

Cientistas recriam crises convulsivas usando mini-cérebros feitos em laboratório

·2 minuto de leitura

O avanço da tecnologia trouxe uma grande vantagem para as pesquisas da área da medicina: a criação de organoides artificiais, que a grosso modo se parecem com mini-cérebros. E a técnica, que consiste em culturas celulares que replicam as funções dos órgãos reais, vem ajudando cientistas a pesquisar sobre uma condição genética que provoca convulsões.

Com os organoides, é possível estudar o desenvolvimento cerebral, doenças e tratamentos, uma vez são feitos inúmeros experimentos que jamais aconteceriam em um cérebro humano com a pessoa viva. Esses órgãos artificiais são gerados a partir de células-tronco pluripotentes, que crescem em uma variedade de órgãos e tecidos humanos.

<em>Imagem: Reprodução/Rawpixel</em>
Imagem: Reprodução/Rawpixel

Neste novo estudo, então, os pesquisadores encontraram padrões de atividade elétrica que se relacionaram com a convulsão de um organoide cerebral, criado com as células-tronco de pacientes com a Síndrome de Rett, condição genética que provoca convulsões.

Bennet Novitch, neurocientista da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e um dos autores do estudo, diz que o trabalho mostra que é possível criar organoides que se assemelham ao tecido cerebral humano. "Pode ser usado para replicar, com precisão, recursos da função cerebral humana e de doenças", pontua o especialista.

Fazer o experimento no cérebro é ainda mais difícil, segundo os cientistas, por ser um órgão que sempre está com muitas sinapses acontecendo. Então, foi preciso organizar todos os neurônios e recriar as mesmas oscilações neurais que acontecem no cérebro de um humano. Após a recriação, os pesquisadores usaram sondas elétricas e microscópios eletrônicos de varredura para conduzir um eletroencefalograma, capaz de revelar variados tipos de oscilações neurais.

<em>Imagem: Reprodução/Ktsimage/Envato Elements</em>
Imagem: Reprodução/Ktsimage/Envato Elements

Ao observarem as oscilações anormais relacionadas à síndrome de Rett, os cientistas adicionaram o medicamento experimental Pifithrin-alpha para remover os sinais de convulsão, com os organoides respondendo ao tratamento. Os pesquisadores comemoram a conquista, dizendo ser um dos primeiros experimentos de testes de drogas em organoides cerebrais.

No futuro, o cultivo de organoides poderá ajudar a substituir o uso de animais em testes, além de aumentar a compreensão da biologia do cérebro humano de doenças neurológicas. O estudo está disponível na revista científica Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos