Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.589,88
    -1.328,05 (-3,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Cientistas querem usar a inteligência artificial para expandir seu gosto musical

·2 minuto de leitura
Cientistas querem usar a inteligência artificial para expandir seu gosto musical
Cientistas querem usar a inteligência artificial para expandir seu gosto musical

Cientistas da Universidade de Oslo, na Noruega, estão usando a inteligência artificial (IA) para catalogar ritmos e, com sorte, expandir seu gosto musical. Segundo Olivier Lartillot, o pesquisador que lidera o projeto, isso pode ser atingido por meio de uma melhor compreensão dos elementos que compõem uma música.

“Normalmente, as pessoas estão interessadas em músicas que ouvem o tempo todo, e que elas compreendem facilmente”, disse Lartillot. “Alguns tipos de canções parecem mais complicadas, e por isso, menos acessíveis. [Mas] Se pudermos dar-lhes as ferramentas para entender melhor uma música, também estaremos oferecendo o acesso para muitas novas canções. Isso beneficia não só o indivíduo, mas a música em si – e a diversidade de todo o seu ecossistema”.

Leia também

Imagem mostra uma mulher segurando um violoncelo, um instrumento bastante usado na noruega, onde cientistas estão usando a inteligência artificial para expandir o gosto musical das pessoas
Por meio da inteligência artificial, cientistas noruegueses acreditam poder expandir o entendimento musical das pessoas. Imagem: Wirestock Creators/Shutterstock

O projeto liderado por Lartillot envolve treinar redes neurais para compreender e catalogar elementos inerentes da música popular norueguesa, transcrevendo o acervo da Biblioteca Nacional do país. Segundo ele, instrumentos como a rabeca de Hardanger (um tipo diferente de violino) são materiais especificamente difíceis de se reconhecer musicalmente, mas são parte integral da cultura musical da Noruega.

“Você treina a máquina ao ensiná-la que este é um certo tipo de música, e estas são as notas que ela deve reconhecer. Ao ‘ouvir’ os exemplos, a máquina tenta compreender o que está acontecendo. Depois de passar por variados exemplos, ela consegue detectar notas automaticamente”, conta Lartillot.

Segundo o especialista, a quantidade de exemplos de acervo necessária inicialmente não era suficiente, então a sua equipe precisou da ajuda de músicos profissionais, como o instrumentista Olav Luksengård Mjelva, bem como estudantes da Academia Norueguesa de Música. Com esse auxílio, eles puderam desenhar um software onde os sons pudessem ser “visualizados” e as notas fossem devidamente posicionadas pelo processo de machine learning.

Usar a inteligência artificial para expandir o gosto musical das pessoas é o objetivo primário do passo seguinte – que está em produção agora, aliás: detectar batidas em ritmo. No caso de instrumentos como a rabeca de Hardanger, isso é especialmente difícil. Os especialistas, porém, têm fé que, uma vez dominando essa parte, o sistema estará a um passo de ser inserido em um formato interativo – como um aplicativo dedicado.

Com o futuro app em mãos, a ideia é que você seja capaz de consultar o catálogo da música popular norueguesa e, segundo as palavras de Lartillot, “partir em uma jornada de descobertas”, uma vez que, assim que você identificar um som que goste, o aplicativo poderá trazer recomendações similares. E uma das formas de interagir com ele será “assistindo” às músicas:

“Quando você vê um videoclipe, ele aciona mais sentidos que o normal, o que faz com que você ‘sinta’ mais a música. Eu acho que isso pode ajudar muitas pessoas a compreenderem músicas populares melhor”, diz o especialista.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos