Mercado fechado

Cientistas podem ter encontrado 'um dos planetas mais jovens'

Exoplaneta fica a mais de 18,59 bilhões de milhas de sua estrela hospedeira, o que desafia as teorias convencionais sobre como os planetas são criados (Getty Creative)
Exoplaneta fica a mais de 18,59 bilhões de milhas de sua estrela hospedeira, o que desafia as teorias convencionais sobre como os planetas são criados (Getty Creative)
  • Gás em disco circumplanetário sugere a presença de um exoplaneta muito jovem

  • Exoplaneta fica a mais de 18,59 bilhões de milhas de sua estrela hospedeira

  • Acredita-se que a estrela hospedeira tenha 1,6 milhão de anos

Cientistas que usam o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) – do qual o Observatório Nacional de Radioastronomia (NRAO) é parceiro, conseguiram detectar gás em um disco circumplanetário, o que sugere a presença de um exoplaneta muito jovem.

O acúmulo de gás, poeira e detritos ao redor de planetas recém-nascidos é conhecido como disco circumplanetário. O desenvolvimento de planetas jovens é governado por esses discos, que também produzem luas e outros pequenos objetos rochosos, conforme observado pelo NRAO.

Enquanto estudavam a AS 209, uma jovem estrela localizada a cerca de 395 anos-luz da Terra na constelação de Ophiuchus, os cientistas observaram uma bolha de luz emitida no meio de uma lacuna vazia no gás ao redor da estrela. Isso levou à detecção do disco circumplanetário em torno de um potencial planeta com a massa de Júpiter.

O exoplaneta fica a mais de 18,59 bilhões de milhas (200 unidades astronômicas) de sua estrela hospedeira, o que desafia as teorias convencionais sobre como os planetas são criados.

Além disso, acredita-se que a estrela hospedeira tenha 1,6 milhão de anos, tornando o exoplaneta descoberto um dos mais jovens de todos os tempos. No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias, e os cientistas que fizeram as novas observações pretendem usar o Telescópio Espacial James Webb para realizar uma investigação de acompanhamento.

“A melhor maneira de estudar a formação de planetas é observar os planetas enquanto eles estão se formando. Estamos vivendo um momento muito emocionante em que isso acontece graças a telescópios poderosos, como o ALMA e o JWST”, disse Jaehan Bae, professor de astronomia da Universidade da Flórida, ao portal Tech Times.