Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,86
    +0,42 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.770,10
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    64.306,38
    +2.977,25 (+4,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.482,57
    +19,21 (+1,31%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.418,75
    +128,25 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4822
    +0,0907 (+1,42%)
     

Cientistas "pesam" células cancerígenas para personalizar medicamentos

·1 minuto de leitura

A ciência tem se concentrado em encontrar tratamentos menos danosos e mais personalizados para o câncer, e sob essa premissa, pesquisadores do MIT e do Dana-Farber Cancer Institute desenvolveram uma nova maneira de determinar se pacientes individuais responderão a um medicamento específico ou não. A técnica consiste em remover células tumorais de pacientes e medir a alteração na massa dessas células.

Acontece que os medicamentos contra o câncer interrompem o crescimento das células cancerígenas, então os pesquisadores pensaram que medir a massa poderia render uma leitura precisa da reação aos diferentes remédios. A abordagem é baseada em uma tecnologia desenvolvida em laboratório para "pesar" células individualmente com precisão.

No entanto, uma desvantagem da técnica é que as células devem permanecer no sistema por várias horas, para que possam ser pesadas repetidamente, a fim de calcular a taxa de crescimento ao longo do tempo. No estudo em questão, os pesquisadores decidiram testar uma abordagem mais simples e significativamente mais rápida, medindo mudanças sutis na distribuição da massa de uma única célula, a fim de prever a sobrevivência do paciente.

(Imagem: claudioventrella/Envato)
(Imagem: claudioventrella/Envato)

Os autores do estudo descobriram que, medindo a diferença de massa entre as células antes e depois do tratamento, poderiam prever com precisão se o paciente responderia ao remédio ou não. A esperança de longo prazo dos pesquisadores é que essa abordagem possa ser usada para testar vários medicamentos diferentes nas células de um paciente individual, para prever qual tratamento funcionaria melhor para aquele paciente. Você pode entender um pouco mais sobre o estudo aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos