Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    52.981,63
    -3.554,45 (-6,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Cientistas mostram como seria o corpo humano perfeito

(Pixabay)
(Pixabay)

Como seria o corpo humano perfeito? Um novo estudo realizado na Universidade de Birmingham, no Reino Unido, tentou responder a essa pergunta. O projeto, coordenado pela antropologista e professora de engajamento público em ciência, Alice Roberts, se uniu a anatomistas e designers de efeitos especiais para testar de que maneiras o corpo humano poderia ser “aprimorado”. Para isso, o grupo se inspirou em outras espécies que conseguem sobreviver melhor na natureza.

Depois de várias hipóteses, eles chegaram ao corpo perfeito, substituindo órgãos e membros humanos considerados “fracos” pelos de outros animais. O corpo ideal tem pernas de emu, pele de réptil, orelhas maiores e um pé com três dedos apenas. O que chama mais atenção, no entanto, é uma cabeça saindo da barriga. Confira:

“Essencialmente, estávamos procurando resolver algumas das falhas evolutivas ou falhas de design no corpo humano”, explica Roberts.

O coração também sofreu alterações: o novo modelo proposto pelos pesquisadores funciona de um jeito parecido com o de cachorros, o que evitaria as chances de bloqueios na artéria que leva sangue humano ao coração.

A própria antropóloga indica que ficou surpresa com o resultado do projeto. “Nós acabamos com uma idéia artística estranha do que nosso corpo poderia ser se resolvêssemos algumas dessas falhas. Fiquei bastante surpresa quando vi [o modelo 3D] porque eu estava passando todas as minhas sugestões para o designer e só vi alguns dos primeiros estágios da escultura antes que ela fosse revelada”, detalha.

“Queríamos mostrar que o corpo não é perfeito. Isto é o que a evolução faz, cria organismos que atuam no aqui e agora. A evolução é sobre fazer um corpo que funciona, não é sobre a perfeição”, aponta a antropóloga.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos