Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,70 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,74 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.772,60
    -15,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    23.066,51
    -128,76 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,65 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,90 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -110,50 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2666
    -0,0739 (-1,38%)
     

Cientistas do MIT criam adesivo capaz de fazer ultrassom

Cientistas do MIT desenvolveram um adesivo capaz de fazer ultrassom. O dispositivo adere à pele e pode fornecer imagens nítidas do coração, pulmões e outros órgãos internos por 48 horas. As informações foram publicadas na revista Science na última quinta (28).

Os pesquisadores aplicaram em voluntários e mostraram que os dispositivos produziam imagens de alta resolução dos principais vasos sanguíneos e órgãos mais profundos. A equipe conseguiu mostrar, ainda, que os adesivos mantiveram uma forte adesão e capturaram mudanças nos órgãos à medida que os voluntários realizavam determinadas atividades, incluindo sentar, ficar em pé, correr e andar de bicicleta.

Na prática, os dispositivos podem ser aplicados a pacientes no hospital, semelhantes aos adesivos de eletrocardiograma de monitoramento cardíaco, sem a necessidade de um técnico. Atualmente, os pesquisadores trabalham para que os dispositivos possam operar sem fio, tornando possível levá-los para casa ou até comprá-los em uma farmácia, por exemplo.

Cientistas criam adesivo capaz de captar imagens dos órgãos internos (Imagem: Diana Polekhina/Unsplash)
Cientistas criam adesivo capaz de captar imagens dos órgãos internos (Imagem: Diana Polekhina/Unsplash)

Conforme explicam os pesquisadores, os adesivos se comunicariam com o celular, onde algoritmos de IA analisam as imagens. “A ferramenta de imagem de ultrassom wearable teria um enorme potencial no futuro do diagnóstico clínico. No entanto, a resolução e a duração da imagem dos adesivos existentes são relativamente baixas e não podem visualizar órgãos profundos”, justificam os cientistas do MIT.

A camada adesiva do dispositivo é feita de duas camadas finas de elastômero que contam com uma camada intermediária de hidrogel sólido, um material principalmente à base de água que transmite facilmente as ondas sonoras. O artigo explica que o elastômero evita a desidratação do hidrogel. Somente quando o hidrogel é altamente hidratado, as ondas acústicas podem penetrar efetivamente e fornecer imagens de alta resolução dos órgãos internos.

Além do adesivo capaz de fazer ultrassom, os cientistas também estão desenvolvendo algoritmos de software baseados em inteligência artificial que podem interpretar e diagnosticar melhor as imagens desse dispositivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos