Mercado abrirá em 5 h 23 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,07
    -1,88 (-2,69%)
     
  • OURO

    1.794,80
    +9,60 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    56.423,44
    -1.010,39 (-1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.424,44
    -4,49 (-0,31%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.109,95
    +65,92 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.330,78
    -521,46 (-2,19%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.312,50
    -78,25 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3421
    +0,0129 (+0,20%)
     

Cientistas japoneses usam vermes para detectar câncer pelo cheiro

·1 min de leitura

A empresa japonesa de biotecnologia Hirotsu Bio Science investiu em recursos particularmente excêntricos para diagnosticar câncer pancreático: vermes geneticamente modificados. Basicamente, esses vermes, que pertencem à espécie Caenorhabditis elegans, foram adaptados para detectar sinais da doença presentes na urina. O experimento foi conduzido lado a lado com a Universidade de Osaka.

A ideia por trás desse projeto é ajudar a aumentar as taxas de detecção de câncer no Japão, que, como em muitos países, viu as taxas de rastreamento caírem durante a pandemia, à medida que as pessoas evitavam consultas médicas. No entanto, mesmo antes da pandemia, os pacientes japoneses compareciam aos exames com pouca frequência.

Através do olfato, vermes detectaram sinais da doença presentes na urina (Imagem: seventyfourimages/envato)
Através do olfato, vermes detectaram sinais da doença presentes na urina (Imagem: seventyfourimages/envato)

"Embora a detecção precoce seja indispensável ​​para melhorar o prognóstico dos pacientes com câncer de pâncreas, ainda não foi alcançada. Com exceção do câncer de pâncreas, outros cânceres já tinham sido examinados por meio de testes de odor em animais ou microorganismos, incluindo Caenorhabditis elegans", afirma a pesquisa.

O artigo aponta que os vermes conseguiram identificar corretamente todas as 22 amostras de urina de pacientes com câncer de pâncreas, incluindo pessoas em estágios iniciais da doença. O estudo completo pode ser encontrado na revista científica Oncotarget.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos