Mercado abrirá em 8 h 46 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,64
    +2,15 (+2,70%)
     
  • OURO

    1.671,80
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.153,10
    -155,93 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,35
    -8,07 (-1,82%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.019,84
    -202,99 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    26.105,16
    +167,95 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    10.995,75
    -39,75 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Cientistas forenses espalham cadáveres em malas para conduzir estudo

Cientistas forenses estão conduzindo um estudo particularmente bizarro, em que cadáveres são espalhados em malas. O que acontece é que a polícia encontra muitos casos assim, então a ideia é auxiliar na investigação de crimes e descobrir um jeito de identificar esses corpos com mais facilidade, na prática.

Os cientistas pretendem fornecer dados úteis para investigar casos semelhantes em todo o mundo. Para isso, foram espalhados, em malas ou lixeiras, um leitão natimorto, simulando um cadáver. A equipe colocou instrumentos para registrar temperatura, umidade e quantidade de chuva.

O experimento começou no início do inverno de 2022 e terminará no verão, e os primeiros dados serão apresentados na maior conferência de ciência forense do mundo, em fevereiro de 2023.

Cientistas forenses espalham cadáveres em malas para conduzir estudo (Imagem: Waldemar Brandt/Unsplash)
Cientistas forenses espalham cadáveres em malas para conduzir estudo (Imagem: Waldemar Brandt/Unsplash)

Dentro de um mês após a instalação das malas, os cientistas identificaram aglomerados de ovos de varejeiras nos zíperes. Ao abrirem as malas em intervalos determinados, encontraram aspectos como larvas de varejeiras, moscas e alguns besouros ativos nos restos mortais.

Uma vez que as larvas completam seu ciclo de vida e emergem como moscas adultas, nenhuma delas pode escapar da mala. A partir disso, o cientista forense pode inferir a hora ou estação da morte, possível relocação do corpo e auxiliar na interpretação das causas e circunstâncias da morte. Em outras palavras, a análise desses insetos fornece importantes informações, que podem ajudar a resolver crimes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: