Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    108.255,33
    -146,95 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.167,91
    -186,95 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,47
    -0,29 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.811,60
    +6,40 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    23.072,97
    -867,27 (-3,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,98
    -21,37 (-3,83%)
     
  • S&P500

    4.114,60
    -25,46 (-0,61%)
     
  • DOW JONES

    32.728,87
    -103,67 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    12.992,25
    -191,00 (-1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2505
    +0,0411 (+0,79%)
     

Cientistas explicam o que acontece com o cérebro depois da meia-noite

O comportamento do cérebro muda ao longo do dia, acompanhando o ciclo circadiano — nosso relógio biológico. Segundo uma equipe de cientistas norte-americanos, a hipótese é de que nosso cérebro se torne mais impulsivo e as emoções fiquem mais afloradas, quando o relógio passa da meia-noite. Para o corpo, o esperado é que estivéssemos dormindo.

Publicado na revista científica Frontiers in Network Psychology, o estudo sobre o que acontece com o cérebro depois da meia-noite foi liderado por pesquisadores do Massachusetts General Hospital, nos Estados Unidos. "A noite está associada a um aumento de comportamentos impulsivos e mal-adaptativos", afirmam os autores.

Quando ficamos acordados até depois da meia-noite, o cérebro muda seu comportamento (Imagem: Inmicco/Envato)
Quando ficamos acordados até depois da meia-noite, o cérebro muda seu comportamento (Imagem: Inmicco/Envato)

Em tese, isso acontece porque, durante a noite circadiana biológica — depois da meia-noite para a maioria das pessoas — há mudanças neurofisiológicas no cérebro que alteram a maneira como interagimos com o mundo. Estas alterações impactariam nossa capacidade de controlar os impulsos e processar informações.

O cérebro muda depois da meia-noite e afeta o comportamento

“A ideia básica é que, de um ponto de vista evolutivo global, seu relógio biológico interno está sintonizado ao processos que promovem o sono, não a vigília [ficar acordado], depois da meia-noite”, explica Elizabeth Klerman, pesquisadora do Massachusetts General Hospital e professora da Harvard Medical School, em comunicado.

“Existem milhões de pessoas que estão acordadas no meio da noite, e há evidências bastante boas de que seu cérebro não está funcionando tão bem quanto durante o dia”, pontua Klerman. “Meu apelo é para que mais pesquisas analisem isso, porque sua saúde e segurança, assim como a de outras pessoas, são afetadas”, aponta.

Inclusive, Klerman lembra que as descobertas podem ter efeitos em indivíduos que precisam ficar acordados à noite para trabalhar. Seriam os casos de pilotos de avião, profissionais da saúde, policiais e seguranças. Por isso, a pesquisadora adianta que mais estudos são necessários para que a hipótese (conceito) seja comprovada.

Pessoas se tornam mais impulsivas depois da meia-noite por causa da desregulação do ciclo circadiano (Imagem: Amenic181/Envato)
Pessoas se tornam mais impulsivas depois da meia-noite por causa da desregulação do ciclo circadiano (Imagem: Amenic181/Envato)

Impactos negativos do relógio nos hábitos

Pensando em experiências corriqueiras, é relativamente comum passar do horário de ir para cama e ficar mais alguns minutos no feed de alguma rede social, como o TikTok e o Twitter. Também é possível que, nesses horários, uma fome por doces surja inesperadamente ou outros comportamentos impulsivos se instalem.

De acordo com esta hipótese sobre o cérebro depois da meia-noite, tende a ser mais comum cedermos a essas vontades à noite que durante o dia. Uma das possíveis explicações está relacionado com a dopamina, que é mais produzida pelo organismo à noite, e que desregularia nosso sistema de recompensa.

A partir de estudos anteriores, os autores explicam que os suicídios são estatisticamente mais prováveis ​​de ocorrer durante à noite. Homicídios e crimes violentos também são mais comuns nesse período. Em tese, isso ocorreria porque a probabilidade de ver o mundo de forma negativa fica maior, além de outros fatores envolvidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos