Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.049,95
    -84,51 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.109,73
    +679,98 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,20
    +2,57 (+3,07%)
     
  • OURO

    1.733,50
    +31,50 (+1,85%)
     
  • BTC-USD

    20.202,66
    +650,07 (+3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,21
    +12,78 (+2,87%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,29 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.648,00
    +362,25 (+3,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1603
    +0,0864 (+1,70%)
     

Cientistas estudam água-viva imortal para desvendar segredos de sua longevidade

Cientistas espanhóis conseguiram estudar o DNA de um ser vivo biologicamente imortal, uma água-viva que pode fazer seu corpo voltar a etapas mais juvenis e retornar à maturidade sexual. O objetivo da pesquisa é descobrir os segredos por trás dessa incomum longevidade e, talvez, entender melhor o que faz nós, humanos, envelhecermos.

A estrela — ou melhor, água-viva — da vez é a Turritopsis dohrnii, animal que, até recentemente, era chamado de Turritopsis nutricola e, como a mudança de nome já diz, confundia os cientistas. Assim como outras espécies do gênero, ela tem um ciclo de vida de duas partes: no primeiro, chamado estado de pólipo, se grudando ao fundo do mar e se alimentando de zooplâncton, ovas de peixe e o que mais passar por ali.

A T. dohrnii é praticamente imortal, isto é, caso não seja acometida por doenças ou comida por outro animal (Imagem: Dr. Karen J. Osborn/Domínio Público)
A T. dohrnii é praticamente imortal, isto é, caso não seja acometida por doenças ou comida por outro animal (Imagem: Dr. Karen J. Osborn/Domínio Público)

Quando está bem alimentada, a T. dohrnii, então, se desenvolve até a maturidade sexual, em estado de medusa, quando nada pelos mares. Ao sofrer danos corporais ou mediante escassez de alimentos, o animal consegue retornar ao estado de pólipo ou larval. Outras águas-vivas não conseguem fazer isso após atingirem o estágio de maturidade sexual.

Águas-vivas e imortalidade

Para o estudo, publicado na última segunda-feira (29) na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), cientistas da Universidad de Oviedo compararam sequências genéticas da T. dohrnii com a de outra espécie, a Turritopsis rubra, tão próxima que se acreditava ser a mesma espécie até pouco tempo atrás. Essa "prima" da criatura imortal, no entanto, não consegue rejuvenescer.

No genoma da T. dohrnii, foram notadas variações que a tornam muito melhor em copiar e consertar sequências defeituosas de DNA. Além disso, a água-viva tem a capacidade de manter as extremidades dos cromossomos — chamados telômeros — com muita maestria. Em nós, humanos, e em outros animais, o comprimento dessa seção genômica diminui com a idade.

Vale lembrar que, caso contraia doenças ou seja muito ferida, a T. dohrnii pode, sim, morrer. Caso não seja incomodada, no entanto, ela é biologicamente imortal. Em laboratório, cientistas japoneses conseguiram observar o ciclo biótico dos animais se repetir 11 vezes em 2 anos, mas, é claro, não é possível verificar laboratorialmente a imortalidade dos animais por questões práticas de tempo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: