Mercado abrirá em 9 h 49 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,55
    +0,79 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.795,00
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    61.670,10
    +597,02 (+0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.025,99
    -100,94 (-0,39%)
     
  • NIKKEI

    28.539,50
    -265,35 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    15.330,50
    -10,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5793
    -0,0015 (-0,02%)
     

Cientistas desenvolvem lâmina de microscópio inteligente que detecta câncer

·1 minuto de leitura

Quando se faz a detecção um material biológico no microscópio moderno, todo um protocolo rigoroso precisa ser seguido. A amostra precisa ser coletada, preparada, seccionada e fixada com corantes. E em caso de doenças, o "tingimento" tecidual pode alterar as propriedades da amostra e levar a diagnósticos errados. Foi com isso em mente que cientistas da Universidade La Trobe, da Austrália, desenvolveram uma nova lâmina de vidro que pode ser mais certeira na detecção do câncer.

A equipe conseguiu proporcionar visualizações coloridas de células e estruturas biológicas quase invisíveis e quase sempre transparentes, sem a ajuda de corantes, como hematoxilina e eosina. Para fazer isso, os pesquisadores modificaram a superfície das lâminas convencionais de microscópio, permitindo traduzir mudanças muito pequenas relacionadas aos campos elétricos do material em contrastes de cores marcantes.

Inicialmente, os cientistas testaram a ferramenta, que ganhou o nome de NanoMslide, para diagnosticar o câncer de mama em estágio inicial. Os testes foram conduzidos em tecido de camundongo e humano, com a lâmina permitindo aos pesquisadores distinguir facilmente as células cancerígenas de tecido normal e saudável.

(Imagem: Divulgação/La Trobe University)
(Imagem: Divulgação/La Trobe University)

Os cientistas imaginam que, com mais estudos, a técnica pode servir como uma nova alternativa. A expectiativa é permitir diagnósticos de câncer mais consistentes no futuro. “Achamos que poderia ser realmente útil no diagnóstico precoce do câncer de mama, mas também em outros tipos de câncer em que estamos apenas tentando coletar algumas células cancerígenas em um tecido complexo ou na amostra de sangue", afirmam os pesquisadores. O estudo foi publicado na revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos