Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    100.645,02
    +1.972,77 (+2,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.259,56
    +518,06 (+1,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,92
    +2,30 (+2,14%)
     
  • OURO

    1.825,60
    -4,70 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    20.848,10
    -334,80 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,40
    -7,40 (-1,60%)
     
  • S&P500

    3.903,09
    -8,65 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    31.456,18
    -44,50 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.044,75
    -95,75 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5322
    -0,0202 (-0,36%)
     

Cientistas desenvolvem dedo robótico revestido de pele humana

Cientistas japoneses recriaram a pele humana e a usaram para cobrir dedo robótico. Foto: Reprodução/Matter/Shoji Takeuchi
Cientistas japoneses recriaram a pele humana e a usaram para cobrir dedo robótico. Foto: Reprodução/Matter/Shoji Takeuchi
  • Cientistas da Universidade de Tóquio, no Japão, desenvolveram um dedo robótico revestido com pele humana;

  • O dedo mecânico revestido com pele humana é à prova d'água;

  • O membro é capaz de se autorregenerar quando ferido.

Cientistas da Universidade de Tóquio, no Japão, recriaram a pele humana e a utilizaram para cobrir um dedo robótico. Detalhes do experimento estão presentes no estudo publicado na última quinta-feira (9) pela revista científica Matter.

Para deixar o membro mecânico mais próximo da realidade, a equipe de pesquisadores o mergulhou em um cilindro com uma solução de colágeno e fibroblastos dérmicos humanos, principais substâncias que formam o tecido conjuntivo da pele.

Leia também:

Em seguida, para a criação da próxima camada de células, foram colocados queratinócitos epidérmicos, que são responsáveis por 90% da superfície, o que permitiu ao dispositivo uma textura similar à do dedo humano.

A substância também possibilitou que a pele seja à prova d’água. Além disso, o membro tem elasticidade e é capaz de retrair e esticar, bem como se autorregenerar quando ferido. Para esse feito, é necessário um curativo de colágeno.

A camada também permite o manuseio de pequenas espumas de poliestireno carregadas com eletrostática, material usado geralmente em embalagens. Isso contribuiria para que, no futuro, a tecnologia fosse usada para trabalhar como embaladores de alguns produtos específicos.

De acordo com um dos autores do estudo, Shoji Takeuchi, o principal defeito do tecido é sua fraqueza em comparação à pele real, já que “não pode sobreviver muito tempo sem fornecimento constante de nutrientes".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos