Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,57
    +0,27 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.776,40
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.419,13
    +1.267,07 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    827,17
    +40,55 (+5,16%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.074,62
    +199,39 (+0,69%)
     
  • NASDAQ

    14.348,25
    -6,00 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8658
    +0,0035 (+0,06%)
     

Cientistas desenvolvem balinhas que reconstroem o esmalte dos dentes

·1 minuto de leitura

A odontologia tem contado muito com o auxílio da ciência e da tecnologia para o surgimento de novidades, como o tratamento que pretente fazer dentes nascerem de novo. Mas, dessa vez, uma equipe de cientistas da Universidade de Washington (EUA) desenvolveu uma pastilha experimental, semelhante a uma pastilha comum de hortelã, que pode reconstruir o esmalte dos dentes.

Os pesquisadores se preparam para lançar ensaios clínicos para testar as pastilhas, que são revestidas com proteínas geneticamente modificadas. A proposta é que se liguem aos compostos mineralizados dos dentes do usuário e estimulem a formação de uma pequena camada de esmalte por meio de um peptídeo que catalisa a deposição de cálcio e fosfatos, desenvolvido especialmente para reparar o tecido duro, mas sem afetar os tecidos moles. Se isso funcionar, pode ser o primeiro tratamento que realmente faz o esmalte "nascer" novamente, em vez de apenas preservar e proteger, papel do tão conhecido flúor.

(Imagem: Asierromero/ Freepik)
(Imagem: Asierromero/ Freepik)

Os pesquisadores já testaram as balinhas em dentes extraídos de porcos, ratos e até de humanos. Durante esse trabalho pré-clínico, eles descobriram que uma pastilha por dia deveria ser suficiente para manter o esmalte dos dentes. Além disso, os pesquisadores afirmam que uma segunda pastilha diária reverteria os danos causados por desgastes ou microorganismos, como a cárie. No entanto, apenas os próximos ensaios clínicos, realizados in vivo, devem comprovar se esse é realmente o caso.

Se as pastilhas funcionarem como descrito, representariam um grande salto no cuidado e manutenção dos dentes, porque mudam o foco da preservação do esmalte para a restauração do esmalte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos