Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.981,08
    -418,93 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Cientistas descobrem região do cérebro feminino que responde a estímulos sexuais

·1 min de leitura

Em um estudo publicado na revista científica Journal of Neuroscience, cientistas descrevem a descoberta da região do cérebro feminino que responde a estímulos sexuais. O estudo contou com a participação de 25 mulheres, que foram estimuladas sexualmente com um dispositivo enquanto as pesquisadoras analisavam a atividade cerebral por meio de ressonância magnética.

A ciência já sabia que quem responde a esses estímulos é o sistema somatossensorial, uma complexa estrutura de neurônios sensoriais e vias neurais. No entanto, ainda não se sabia a região exata que responde diretamente ao estímulo genital.

Ao fazer a análise pela ressonância magnética, a pesquisa observou as diferenças e semelhanças nas respostas cerebral das participantes ao estímulo do clítoris.

Região do cérebro feminino que responde a estímulos sexuais (Imagem: Knop et al., JNeurosci 2021)
Região do cérebro feminino que responde a estímulos sexuais (Imagem: Knop et al., JNeurosci 2021)

Todos os casos apontaram uma região dentro da parede lateral do córtex somatossensorial. O estudo notou também que a área fica mais espessa nas pessoas que relataram uma vida sexual ativa nos últimos 12 meses.

A equipe de pesquisadores espera que as descobertas possam contribuir para a pesquisa sobre disfunção sexual, auxiliando na criação de novas terapias. “O conhecimento da localização precisa e variação estrutural do campo genital possibilita a implementação de estudos clínicos que podem beneficiar mulheres que sofreram abuso sexual", aponta o estudo.

"Esse conhecimento será importante para entender as consequências do abuso sexual em nível cerebral. Com base nesse entendimento, podemos desenvolver novas maneiras que ajudem a reverter as consequências e, assim, aliviar o sofrimento e promover a saúde das mulheres", conclui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos