Mercado fechará em 2 h 56 min
  • BOVESPA

    113.368,83
    +1.095,82 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.603,66
    +82,23 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,09
    +1,19 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.943,40
    +4,20 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    23.141,55
    -39,31 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,20
    +6,41 (+1,24%)
     
  • S&P500

    4.044,69
    +26,92 (+0,67%)
     
  • DOW JONES

    33.808,60
    +91,51 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.776,07
    -8,80 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.059,00
    +91,00 (+0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5301
    -0,0169 (-0,30%)
     

Cientistas descobrem organismo que se alimenta de vírus

Em novo estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, pesquisadores da University of Nebraska-Lincoln descobriram um organismo unicelular capaz de se alimentar de vírus. Trata-se de uma espécie de Halteria (seres microscópicos que habitam a água doce), que se alimentam de clorovírus, conhecidos por infectar algas verdes microscópicas.

Os pesquisadores queriam descobrir se algum micróbio comia vírus ativamente e se essa dieta poderia sustentar o crescimento fisiológico de indivíduos e o crescimento populacional de uma comunidade.

Para testar a hipótese, a equipe coletou amostras de água de um lago local, isolou diferentes micróbios e adicionou grandes quantidades de clorovírus. Nos dias seguintes, a equipe rastreou o tamanho da população dos vírus e dos outros micróbios.

Cientistas descobrem organismo que se alimenta de vírus (Imagem: Mstandret/Envato Elements)
Cientistas descobrem organismo que se alimenta de vírus (Imagem: Mstandret/Envato Elements)

Por meio dessa análise, o grupo percebeu que o micróbio em particular parecia se alimentar dos vírus: as populações de Halteria cresceram cerca de 15 vezes em dois dias, enquanto os níveis de clorovírus caíram 100 vezes. Em amostras de controle sem o vírus, Halteria não cresceu.

Em seguida, para ter certeza de que a espécie estava se alimentando dos vírus, a equipe marcou o DNA do clorovírus com corante fluorescente. Não demorou para que as células de Halteria começassem a brilhar.

Com essa descoberta em mãos, o próximo passo é continuar investigando o fenômeno e estudar seus efeitos nas cadeias alimentares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: