Mercado abrirá em 7 h 3 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,17
    +3,02 (+4,43%)
     
  • OURO

    1.794,60
    +6,50 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    57.331,58
    +3.228,39 (+5,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.432,91
    -22,50 (-1,55%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    23.956,43
    -124,09 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    28.457,53
    -294,09 (-1,02%)
     
  • NASDAQ

    16.235,50
    +184,50 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2966
    -0,0519 (-0,82%)
     

Cientistas descobrem mamífero que brilha escuro mesmo depois de morto; veja!

·1 min de leitura

Pesquisadores anunciaram, no início deste ano, o primeiro caso documentado de biofluorescência em um mamífero placentário euro-afro-asiático, mostrando que o caso nestes animais não é algo tão raro assim. A fluorescência acontece quando um animal absorve a luz e a reflete novamente, acontecendo apenas em alguns tipos de mamíferos que habitam ecossistemas completamente diferentes.

O animal da descoberta é uma lebre-saltadora, mamíferos noturnos da família de roedores Pedetidae, que conta com apenas duas espécies vivas. Uma delas é a Pedetes capensis, que vive na África Austral, e a outra Pedetes surdaster, que habita parte da Quênia e da Tanzânia. Esses animais são solitários, fossoriais (que cavam e vivem embaixo do solo), noturnos e habitam áreas semi-áridas.

<em>Imagem: Olson et al., 2021</em>
Imagem: Olson et al., 2021

Erik Olson, líder do estudo, conta que a biofluorescência tem sido observada cada vez mais em uma certa gama de invertebrados, peixes, répteis, anfíbios e pássaros. Biofluorescência consiste da absorção de comprimentos de onda de luz curtas e a reemissão de comprimentos de onda de luz mais longos, como explica o pesquisador.

A descoberta foi feita quando, para conferir a fluorescência dos animais, os cientistas entraram no Museu de História Natural de Chicago com uma lanterna. Um espécime em questão foi a que mais surpreendeu por ser coletada em 1905 e continuar brilhando no escuro por mais de 100 anos. Na sequência, eles também analisaram a lebre-saltadora em vida, no escuro da floresta, descobrindo que ela também apresentam fluorescência, inclusive bem mais forte que os animais mortos.

O estudo completo está disponível na revista científica Scientifc Reports.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos