Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,89
    +3,40 (+3,08%)
     
  • OURO

    1.822,90
    +14,70 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    30.036,42
    -869,96 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    -146,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2805
    +0,0214 (+0,41%)
     

Cientistas descobrem estratégia para impedir 100% dos casos de covid

Para impedir completamente a infecção de células saudáveis pelo coronavírus SARS-CoV-2, um grupo de cientistas belgas trabalha em um medicamento que demonstrou ser promissor em testes de laboratório. A ideia é usar um tipo específico de açúcar comum nas células humanas e, através dele, barrar o processo de invasão do vírus da covid-19.

Publicado na revista científica Nature Communications, o estudo para impedir 100% dos casos da covid-19 ainda é bastante preliminar. A pesquisa é liderada por cientistas da Universidade de Louvain (UCLouvain), na Bélgica.

Pesquisadores belgas querem criar spray que impede casos da covid-19, através de estrutura feita de açúcares (Imagem: Astrakanimages/Envato)
Pesquisadores belgas querem criar spray que impede casos da covid-19, através de estrutura feita de açúcares (Imagem: Astrakanimages/Envato)

Agora, a equipe realizará novos testes, mas em camundongos (pré-clínicos). No futuro, a pesquisa pode levar ao desenvolvimento de um antiviral, administrado por aerossol (spray), receitado em caso de infecção ou de contato de alto risco.

Estratégia "infalível" contra a covid-19

A ciência já sabe que o vírus da covid-19 usa a proteína S (Spike) para chegar até o receptor ACE2 — a sigla pode ser traduzida por Enzima Conversora de Angiotensina 2 —, expresso pela maioria das células humanas. O contato e o encaixe entre o ACE2 e a proteína S permite a infecção das células saudáveis.

No projeto dos cientistas belgas, foi possível descobrir, aparentemente, uma forma de impedir essa conexão. Até então, isso não foi planejado por nenhum medicamento disponível contra a covid-19 e não pode ser desencadeado por nenhuma vacina em uso.

Em resumo, existe um terceiro elemento que foi pouco estudado no processo de invasão das células saudáveis pelo vírus da covid: a classe dos ácidos siálicos (SAs), que são um tipo de açúcar presente na superfície das células. Este açúcar é usado como um localizador pelos vírus e os ajudam a encontrar os "alvos" da mais facilmente. Também favorecem a fixação do hospedeiro. Basicamente, ajudam o processo de infecção, atuando contra o próprio corpo.

No processo de análise in vitro, foi possível descobrir que uma variante específica desses açúcares, a 9-O-acetilado, interagia mais fortemente com a proteína S. A partir disso, a equipe de cientistas buscou formas de bloquear a proteína S antes de chegar no ACE2. A ideia foi criar estruturas multivalentes, repletas daquele tipo específico de açúcar e, com isso, enganar o agente infeccioso.

Em tese, isso bloqueia a ligação antes dela acontecer, já que provoca o efeito reverso. Afinal, o vírus da covid-19 não vai se conectar mais com a célula saudável e, sim, com a estrutura de açúcares, que parece ter maior afinidade química, ou seja, é mais "interessante". Conectado a essa estrutura, o vírus não se replica e a infecção não acontece. Apesar de a ideia ser promissora, mais testes são necessários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos