Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.411,02
    +10,27 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Cientistas descobrem álcool no centro da Via Láctea

Via Láctea: cientistas descobriram álcool isopropílico no centro da galáxia
Via Láctea: cientistas descobriram álcool isopropílico no centro da galáxia
  • Descoberta foi feita por cientistas do Instituto Max Planck, na Alemanha;

  • Pesquisadores utilizaram o telescópio ALMA, localizado no Chile, para observar a Via Láctea;

  • Descobrimento pode nos ajudar a entender como estrelas se formam.

Astrônomos do Instituto Max Planck de Astronomia, na Alemanha, realizaram uma descoberta que pode interessar muitos brasileiros. Segundo os cientistas, há grande agrupamentos de moléculas de álcool no centro da Via Láctea. As observações foram realizadas graças ao telescópio ALMA, no Chile.

O local em que o álcool foi descoberto é conhecido como "sala de parto da Via Láctea", por nele estarem localizados vários elementos necessários para o surgimento de novas estrelas. Por conta disso, a descoberta nos ajuda a compreender o processo de nascimento de novos astros. Oficialmente, no entanto, esse local é chamado de Sagittarius B2.

Localizada a mais de 150 parsecs do centro da galáxia, o local possui, além desses elementos, agrupamentos de moléculas de álcool, em específico o álcool isopropílico. Sim, aquele mesmo utilizado para limpar eletrônicos e nem um pouco recomendado para consumo humano.

“A identificação de ambos os isômeros de propanol é unicamente poderosa em determinar o mecanismo de formação de cada uma delas”, disse Rob Garrod, astrônomo da Universidade da Virgínia e co-autor de um dos dois papers produzidos a partir da novidade. “Por eles serem tão semelhantes entre si, eles se comportam – fisicamente falando – de forma muito parecida, o que significa que as duas moléculas devem estar presentes nos mesmos lugares, ao mesmo tempo”.

Além desta, o Instituto foi capaz de identificar também o cianeto isopropílico, a N-metilformamida e a ureia no espaço. Essas moléculas se diferenciam de outras mais básicas, elementos químicos puros ou a água, por terem uma estrutura mais complexa, resultante de processos e interações químicas.