Mercado abrirá em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,99
    +1,42 (+2,17%)
     
  • OURO

    1.775,00
    -9,30 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    56.605,44
    -479,72 (-0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.444,17
    -24,91 (-1,70%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.131,00
    -37,68 (-0,53%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.932,25
    +62,50 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

Cientistas da China dizem transformar emissões em ração animal

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- Pesquisadores chineses disseram que desenvolveram a tecnologia para transformar as emissões industriais em ração animal em escala, uma medida que poderia reduzir a dependência do país de matérias-primas importadas, como a soja.

Most Read from Bloomberg

A tecnologia envolve a síntese de exaustão industrial contendo monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas usando Clostridium autoethanogenum, uma bactéria usada para fazer etanol. A notícia foi publicada esta semana no jornal estatal Science and Technology Daily.

A China é o maior importador de soja, que é esmagada para produzir farinha, principalmente para alimentar seu rebanho suíno, o maior do mundo. Os chineses compram grandes volumes de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos. A commodity também tem sido uma importante fonte de atrito, contribuindo para as tensões comerciais entre os EUA e a China.

A China enfrenta escassez de commodities agrícolas devido à falta de terras produtivas e à crescente demanda de uma população mais rica, e tenta aumentar a produtividade e reduzir o desperdício. O Science and Technology Daily disse que 80% das necessidades de matéria-prima da China para proteínas de ração são atendidas por importações.

Se a China puder produzir 10 milhões de toneladas de proteína sintética usando a nova tecnologia, isso equivaleria a cerca de 28 milhões de toneladas importadas de soja, observaram os pesquisadores. A produção de proteínas sintéticas para ração animal em grande escala também ajudaria a China em seu programa de descarbonização, acrescentaram, um dos principais objetivos políticos do Partido Comunista.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos