Mercado fechará em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    122.094,59
    +1.745,80 (+1,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.228,10
    +335,82 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,11
    -0,25 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.836,50
    +6,60 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    35.711,47
    -347,41 (-0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,98
    -40,16 (-5,46%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.813,25
    +11,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3635
    -0,0291 (-0,46%)
     

Cientistas criam o modelo de supernova tipo Ia mais completo já obtido

Daniele Cavalcante
·3 minuto de leitura

Uma equipe internacional de pesquisadores conseguiu obter o maior e mais completo conjunto de dados já coletados de uma supernova do tipo Ia. O artigo sobre o tema, publicado no Astrophysical Journal em novembro, poderá se tornar a maior referência mundial no estudo desse tipo de objeto, ajudando cientistas de todo o mundo a compreender melhor os mecanismos que dão origem a essa categoria de supernova.

Liderada pelo Dr. Wang Lingzhi, do Chinese Academy of Sciences South America Center for Astronomy (CAS-SACA), a equipe estudou uma supernova tipo Ia chamada SN 2017cbv, e obteve a mais completa curva de luz de uma única supernova já coletada. Uma curva de luz é um gráfico temporal da intensidade da onda eletromagnética de um objeto celeste, ou seja, a equipe conseguiu dados de faixas do espectro de luz emitida pela supernova, incluindo infravermelho próximo e as cores visíveis. Eles também conseguiram o mais completo modelo espectral de um objeto desse tipo.

Conceito artístico de uma supernova (Imagem: Reprodução/Greg Stewart/SLAC National Accelerator Lab)
Conceito artístico de uma supernova (Imagem: Reprodução/Greg Stewart/SLAC National Accelerator Lab)

Todas as estrelas com até 10 massas solares terminarão suas vidas como anãs brancas. Depois que todo o hidrogênio de uma dessas estrelas tiver sido fundido em hélio, ela se torna uma gigante vermelha e, após algum tempo, transforma-se em uma anã branca, incapaz de realizar fusão nuclear.

Contudo, as anãs brancas do tipo comum de carbono/oxigênio são capazes de futuras reações de fusão nucleares. Nesse processo, elas podem liberar uma grande quantidade de energia e acabam explodindo em supernovas do tipo Ia. Isso ocorre em sistemas binários de estrelas formados por uma anã branca e outra estrela — que pode ser uma gigante vermelha, ou mesmo outra anã branca de menor massa.

As supernovas do tipo Ia são importantes para a astrofísica e estudos sobre o comportamento do universo em geral. É através delas, por exemplo, que os astrônomos conseguem calcular distâncias e foi graças a elas que a expansão acelerada do universo foi descoberta. Os cientistas já sabem algumas coisas sobre as supernovas em si, mas pouco compreendem a respeito das estrelas e os mecanismos de explosão que lhes dão origem. Daí vem a importância deste novo estudo.

Conceito artístico de uma supernova (Imagem: University of Warwick/Mark Garlick)
Conceito artístico de uma supernova (Imagem: University of Warwick/Mark Garlick)

De acordo com o Dr. Wang Lingzhi, a SN 2017cbv é agora “um alvo ideal para pesquisas comparativas de SNeIa [supernovas tipo Ia]”. O conjunto de dados fornecido pelo estudo é "único", disse ele. O coautor da pesquisa Wang Lifan explica que "estimativas confiáveis da extinção e avermelhamento causado pela poeira nas galáxias hospedeiras das supernovas Tipo Ia é a questão mais importante na aplicação cosmológica da supernova Tipo Ia, que lançou as bases para estudos da energia escura do universo"

Já o professor Nicholas B. Suntzeff, tambem coautor do estudo, afirma que as curvas de luz apresentadas no estudo “serão mostradas repetidamente em palestras em todo o mundo, como o melhor exemplo do comportamento fotométrico das supernovas tipo Ia”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: