Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.969,06
    -49,77 (-0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Cientistas criam em laboratório material que só existe em meteoritos

Equipes de cientistas da Universidade de Northeastern e de Cambridge, no Reino Unido e Estados Unidos, respectivamente, produziram em laboratório um material que não existe naturalmente na Terra. Chamado de "teatraenita", o composto é encontrado somente em meteoritos, e sua versão laboratorial pode representar um grande potencial para o mercado de ímãs.

Conforme as rochas espaciais viajaram pelo espaço por milhões de anos, o ferro e outros compostos nelas foram resfriados e formaram um material único, com características que os tornam ideais para uso em ímãs de alta permanência. Os ímãs são essenciais para máquinas que usam eletricidade, já que eles transformam a energia elétrica em ação mecânica.

A tetrataenita é formada em rochas espaciais, conforme se resfriam ao longo de milhões de anos (Imagem: Reprodução/DOE/FNAL/NOIRLab/NSF/AURA/J. da Silva/Spaceengine)
A tetrataenita é formada em rochas espaciais, conforme se resfriam ao longo de milhões de anos (Imagem: Reprodução/DOE/FNAL/NOIRLab/NSF/AURA/J. da Silva/Spaceengine)

A maioria dos ímãs pode ser produzida por processos simples e de baixo custo, mas os ímãs permanentes, usados em equipamentos mais avançados e complexos, precisam resistir a altas pressões e temperaturas por períodos prolongados. Para conseguir estas capacidades, eles precisam das chamadas “terras raras”, nome dado a um grupo de 17 elementos que ocorrem na crosta terrestre.

Entre as terras raras, estão os elementos neodímio e praseodímio, componentes essenciais para a produção dos ímãs permanentes. Atualmente, este mercado é dominado pela China, o que ajuda a entender o porquê de a produção sintética da teatraenita ser tão interessante: o composto pode ser usado em peças complexas de máquinas, e poderia permitir que os Estados Unidos ocupem uma grande fatia do mercado dos ímãs, reduzindo a necessidade de algumas terras raras.

Neste cenário, os norte-americanos não estariam mais na competição pelos materiais, e também não precisariam depender deles para produzir peças essenciais para tecnologias vitais. Mas, por outro lado, as terras raras também são usadas para a produção de fibra ótica, televisão, dispositivos eletrônicos pessoais e mais. Então, se parte do mercado das terras raras desaparecer por causa da teatraenita, a produção das demais terras pode ser afetada.

Para Laura Henderson Lewis, professora da universidade do Reino Unido, este cenário é real, mas distante. Ela acredita que ainda levará tempo até a teatraenita poder afetar qualquer mercado, e ainda faltam vários testes laboratoriais para os cientistas descobrirem se a versão sintética dela é tão rígida e útil como a espacial. Mesmo que os resultados sejam positivos, ainda levará anos até o material ser usado em ímãs.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Advanced Science.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: