Mercado abrirá em 9 h 4 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,85
    -1,81 (-2,19%)
     
  • OURO

    1.804,40
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    58.843,50
    -1.708,63 (-2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,98
    -64,35 (-4,36%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.553,41
    -75,33 (-0,29%)
     
  • NIKKEI

    28.825,62
    -272,62 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    15.607,50
    +20,25 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Cientistas criam dispositivo vestível capaz de escanear cérebro

·1 minuto de leitura

Por enquanto, a forma de escanear o cérebro envolve aquele famoso (e temido pelos claustrofóbicos) tubo de ressonância magnética. No entanto, pesquisadores do Penn State College of Engineering vem desenvolvendo um protótipo que pode funcionar como um método alternativo para fazer uma varredura cerebral com um dispositivo que pode ser encaixado na cabeça.

Basicamente, o objetivo desse dispositivo é avançar no diagnóstico e tratamento de problemas neurológicos por meio de testes acessíveis. Para isso, a invenção conta com uma tecnologia híbrida que usa luz e som, enviando pulsos de laser para o cérebro, gerando um calor inofensivo que se converte em ondas ultrassônicas, detectáveis por um sensor ultrassom. Já os raios de luz são absorvidos naturalmente pelos vasos sanguíneos, o que os torna visíveis em um monitor.

A ideia é que o dispositivo seja capaz de visualizar o córtex cerebral do cérebro — relacionado com a percepção, consciência, memória, linguagem — e fornecer imagens em tempo real enquanto o paciente realiza tarefas ou responde perguntas.

(Imagem: hainguyenrp/Pixabay)
(Imagem: hainguyenrp/Pixabay)

Assim que os pesquisadores tiverem um protótipo do sensor cerebral, o próximo passo é testar sua função e suas capacidades, o que deve contar com a participação de pesquisadores da Duke University (EUA). A nova tecnologia também deve ser usada para detectar lesões cerebrais ou distúrbios de desenvolvimento em crianças e pacientes adultos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos