Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.968,86
    -2.104,69 (-1,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.895,16
    -1.123,75 (-2,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,83
    -0,58 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.927,20
    -15,60 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    23.794,28
    +201,30 (+0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    543,50
    -1,81 (-0,33%)
     
  • S&P500

    4.162,34
    +43,13 (+1,05%)
     
  • DOW JONES

    33.964,14
    -128,82 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.810,50
    +396,25 (+3,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5034
    -0,0510 (-0,92%)
     

Cientistas criam coronavírus híbrido e geram polêmica

Em laboratório, pesquisadores norte-americanos criaram um coronavírus SARS-CoV-2 híbrido, ou seja, misturaram elementos da cepa original — aquela identificada em Wuhan, na China, no final e 2019 — com elementos da variante Ômicron (BA.1). O experimento envolvendo o vírus da covid-19 é controverso e inúmeras críticas foram apontadas.

No momento, o preprint — estudo que ainda deve passar por revisão de pares — sobre o coronavírus híbrido foi publicado na plataforma bioRxiv. Os testes foram coordenados por pesquisadores da Universidade de Boston (BU, em inglês), nos Estados Unidos.

Entenda o estudo sobre o coronavírus híbrido

Pesquisadores criaram um coronavírus híbrido em laboratório, mesclando variantes dos vírus (Imagem: Abdelrahman_El-masry/Envato)
Pesquisadores criaram um coronavírus híbrido em laboratório, mesclando variantes dos vírus (Imagem: Abdelrahman_El-masry/Envato)

Antes de explicar o experimento dos cientistas norte-americanos, vale mencionar que a cepa original do coronavírus é considerada a mais "mortal" desde o início da pandemia. No entanto, diferentes fatores explicam isso, como a falta de tratamentos e protocolos adequados de atendimento para pacientes da covid-19 e a inexistência de imunidade prévia, seja provocada por vacinas ou infecções anteriores. Além disso, ainda há o seu nível de patogenicidade.

Agora, a cepa Ômicron é considerada a mais transmissível, o que pode ser explicado por mutações na proteína Spike (S) da membrana viral. Por outro lado, os casos desta infecção são considerados menos graves, ou seja, é considerada menos patogênica.

Como criaram o híbrido do vírus da covid?

No laboratório, a equipe criou um coronavírus do tipo original, com a proteína Spike da Ômicron, e testou como organismos vivos (roedores) reagiriam a esse vírus da covid quimérico. Os pesquisadores dividiram os animais em três grupos e obtiveram os seguintes resultados:

  • Grupo 1: roedores infectados com a cepa original da covid. A mortalidade do vírus foi de 100%;

  • Grupo 2: cobaias contaminadas com o coronavírus híbrido. A mortalidade foi de 80%;

  • Grupo 3: roedores infectados com a variante Ômicron. Nenhuma morte foi relatada.

O que os cientistas descobriram sobre a variante Ômicron?

Os cientistas defendem a importância da criação do coronavírus híbrido, já que ele permitiu a seguinte descoberta: embora a proteína Spike facilite a transmissão do vírus e o escape dos anticorpos, ela não está relacionada com o nível de patogenicidade da Ômicron (gravidade da doença). A hipótese inicial era de que o híbrido fosse altamente transmissível, mas nem um pouco mortal.

Segundo os autores, a descoberta "indica que, embora o escape vacinal da Ômicron seja definido por mutações na S, os principais determinantes da patogenicidade viral residem fora da S”. Basicamente, ainda não se sabe quais mutações provocaram variantes da covid-19 menos graves.

Controvérsias sobre a criação de laboratório

Apesar da descoberta científica, existem alguns riscos quando novos vírus são desenvolvidos em laboratório, como o vazamento em potencial da criação — até hoje, esta é uma corrente defendida por alguns cientistas sobre a origem do coronavírus SARS-CoV-2. Após a divulgação do estudo, publicações chegaram a taxar o experimento como "a criação de uma cepa mortal da covid".

Em nota, a Universidade de Boston se defendeu das acusações e informou que a pesquisa foi revisada e aprovada pelo Comitê de Biossegurança Institucional (IBC). Além disso, os estudos foram realizados em um laboratório de biossegurança de nível 3.

“Esta foi uma declaração tirada do contexto para fins sensacionalistas”, pontua Ronald B. Corley, porta-voz da universidade, em comunicado. "E deturpa totalmente não apenas as descobertas, mas [também] o objetivo do estudo”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: